Pão de Canela e Prosa – Onde as palavras têm sabor
Pão de Canela e Prosa

NA NOITE NOS ENCONTRAMOS

  Como todo vaga-lume na noite Nossos olhos brilharam e se fitaram Na escuridão, em busca De um mundo ideal…   Como todas mariposas da noite Nossas mãos traçaram mil voltas Alisando e comprimindo corpos Procurando calor…   Como toda criatura da noite, Nos entregamos a beijos e paixões, No mais repleto amor E na noite...

O SOL

Quando me perguntaram na festa o que eu esperava da vida, simplesmente respondi: _ Que o mundo se abra e a terra me engula. A senhora gorda me olhou e, talvez, por achar a minha resposta mal educada, se afastou. Eu andava na sala olhando o povo que se balançava ao som de suas músicas estridentes, ou mesmo na algazarra de suas conversas, me via...

HAVERÁ TEMPO?

Talvez eu seja O mais ínfimo dos mortais, E tenha a mente Assim em desordem, Por não conseguir concatenar idéias, Por não conseguir superar barreiras, Por me perder em coisas fúteis, Por não me deixar crescer, Por não me deixar evoluir, Por me atar a terra E não me permitir alçar vôos… Talvez não consiga, Nem em outras...

ULTRA CARNEM

Título; Ultra carnem Editora: Dark Side Autor: Cesar Bravo Número de páginas: 328 DATA DA EDIÇÃO: 2016   Onde comprar: Resenha: O livro é composto de quatro contos. O primeiro se passa em um orfanato comandado por um padre e uma freira, por vota dos anos 1900, onde uma cigana traz uma criança, Lester, para viver nesse lugar. É um...

NÃO INTERESSA

Não interessa Quem esteve na minha cama, Quem beijou minha boca, Quem respirou o mesmo ar…   Não interessa Quem me amou, Quem por mim esteve à beira da loucura, Quem quis respirar junto comigo…   Não interessa Quem pisou no mesmo caminho, Quem me seguiu par-e-passo, Quem quis caminhar e faltou o ar…   Não...

FLIMINAS

FLIMINAS! A quarta Festa Literária de Rio Novo aconteceu nos dias 17 a 20 de agosto e foi um sucesso! Sucesso de público, sucesso de organização, sucesso de união e paz. O trabalho dos Cavaleiros da Cultura é, sem sombra de dúvidas, uma demonstração de amor à cultura e à divulgação da literatura pelo país. Há dez anos esses homens...

FOME

Uma mulher magra! Muito magra, com os ossos à flor da pele, se é que lhe restava pele. Vestida de molambos, rasgados pelas madrugas dos frios invernos de calçadas, cada dia mais nua. Com um passado negro, um futuro horrendo e um presente famintos, a esmolante anda pelas ruas de belos apartamentos e carros. Aos seu pés chora o filho que quer...

INDIFERENÇA

Se você estivesse aqui agora, A chuva não importaria mais, Pois chegaria ao meu dia o sol. O frio da solidão não causaria dor, Porque o mundo voltaria a sorrir. A noite não seria tão escura Já que mil estrelas brilhariam. O vento não cortaria minha pele Porque eu estaria envolvido em seus braços. O mundo não estaria mais desabando Porque...

CONTRASTES

(à morte de Alcides M. Torres)   As velas na sala tremulam… O vento arranca falsidades… A noite cai vagarosamente…   Há brilho nos olhos cálidos, Olhos vermelhos, Olhos empapuçados, Olhos irritados de dor…   Há risos em bocas sórdidas, Há choro na noite vaga, O céu em festa, A sala em...