A MORTE – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

A MORTE

A morte espreita quieta na noite tão fria
Enquanto a chuva molha o mundo ao seu redor
Não há ninguém que possa andar com alegria
Porque a escuridão teima em distribuir dor…

A morte de roupagem negra e tão sombria
Não escolhe lugar, e por onde ela for
Levará destruição, perdas louca sangria
Como uma ave de agouro intenso e grande rancor

A morte passa e lenta e fria vai jogando
As suas garras esguias sofrimento causando
Sem olhar qual pessoa deixou de existir.

É por isso que nunca devemos deixar
De procurar viver bem, devemos amar
Devemos procurar c’a morte competir.

Ilustração de Ramon Lima Brandão “DEPOIS DO NADA”.

            

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quase quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor. É membro da Academia Juiz-forana de Letras e da Academia de Ciências e Letras de Conselheiro Lafaiete e presidente da Liga de Escritores, Ilustradores e Autores de Juiz de Fora - LEIAJF.

2 comentáriosDeixe um comentário

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *