A NOITE FRIA – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

A NOITE FRIA

Era uma noite sombria

Era uma noite tão fria

Era meio do inverno

E eu buscando,

Querendo, caminhando

Talvez, para o inferno!

 

A noite nada dizia

Na sua neblina muito fria,

Mas o coração palpitava

Eu continuando o caminho,

Olhando, procurando, mas sozinho,

O desejo, a ira, tudo da boca saltava!

 

A noite ainda continuaria

Levando sua névoa densa e fria

Para, não sei onde, em frente

E eu também seguindo a direção

Que a alma, mais que o coração

Ditava pra seguir somente.

 

A noite fria me levará

Para aonde não sei. Chegará

Aos confins de um pesadelo

Que me destrói pouco a pouco

Me transforma em mais um louco

Correndo pelo frio em pelo.

 

Foto: http://bubuhdulce.blogspot.com.br/2012/09/noite-fria.html

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quase quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *