A SURPRESA – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

A SURPRESA

A amorada lhe fizera surpresas. Viera de longe, sentira saudade e resolvera: “É hoje” – dissera-se ela. E lá se foi, tomou o ônibus na cidadezinha do interior, viagem dura, o tempo não passava… O calor do ônibus, o bafafá dos vizinhos de poltrona…

Enfim, a cidade do namorado se aproximava. O sorriso se lhe aflorou ao rosto. Tudo enfim seria solucionado, a saudade apagada, a vontade seria saciada e ela então, poderia ser acarinhada, abraçada, beijada…

Mas justo hoje, ela lhe fez surpresa. O namorado estava machucado. Ferira-se nas mãos e tinha quase todos os dedos com curativos, faixas… O que o ferira, ao certo não interessaria a ela. Interessava-lhe saber que o namorado estava mal. Estava todo enfaixado, engasado, esparadrapado, machucado…

Ele a olha-la à sua porta, ela a olha-lo sem entrar. Os dois sorrindo, as bocas querendo, os sonhos surgindo-lhes nas testas… Ele a puxou e beijou-a na boca. Ela sorriu. Aceitou o beijo maravilhada. Disse a ele que ficaria para o fim de semana, que estavam há dois meses sem se ver, que queria matar tudo de ruim que sentira, a saudade, a ausência, a solidão (não compensada a ambos pelos braços e bocas de outras pessoas, que somente um sabia compensar ao outro).

Sentaram-se à mesa pela tarde, conversaram até a noite. Ela querendo ele pensando, ela sentindo, ele falando, mudando de assunto, rejeitando…

A namorada estranhou. Por que será que ele tão quente, está tão distante tão frio?… Será que não a ama mais? Será que não queria que ela viesse? O que terá acontecido?

Ele, no entanto, sem jeito, depois de tanto refugo, tanto rejeito, não aguentando mais a força da carne, começa a acaricia-la. O rosto da namorada em breve, a pele rosada, estava vermelha, irritada e suja com os curativos dos dedos dele a lhe acarinharem, a lhe suprimirem os desejos…

Maloca Querida, crônicas, 1998:39-40.

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quase quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *