Artur Laizo Escritor – Página: 2 – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

Autor - Artur Laizo Escritor

CONVERSA NO RESTAURANTE

O PACTO – TERCEIRO CAPÍTULO Cinco anos se passaram desde a morte do seu pai. Estêvão morava no imenso casarão do pai e com o dinheiro da venda da sua casa, investiu em um restaurante de comida chinesa e se tornou milionário. O perfil do empresário agora era de um homem muito rico e com muitas possibilidades de se tornar ainda mais...

NATAL

Natal! Família reunida Sorrisos, alegria Crianças todos Adultos ou não Crianças todos Família reunida Crianças todos Natal de guloseimas Natal de amor Natal de fé! Famílias reunidas Sonhos de ano todo Todos crianças Todos felizes (?) Todos em fé, em paz… Pena que nem todos Crianças ou não Na cidade, no mundo, Tenham a sorte de ser...

FELIZ NATAL

O que eu posso falar do Natal? Natal é uma festa familiar. É representação do nascimento de Jesus Cristo e para nós, a reunião da família. Normalmente, familiares viajam longas distâncias e gastam muito tempo para estarem juntos. O Natal tem cara de avó. Avô é outro papo. É natural à matriarca o cuidado com a preparação das comidas...

CRIME OU ACIDENTE?

O PACTO – PARTE 2 O senhor Jair se levantou da cama no escuro, ainda não eram cinco horas da manhã e não fez nenhum barulho. Descalço, saiu do quarto, pé ante pé para não acordar a esposa, setenta e dois anos, apenas três mais nova que ele, mas ela andava debilitada e ele não queria incomodá-la. Andou pela casa no escuro e foi até...

33 ANOS DE FORMADO

33 anos de formado! O tempo passa rápido e de repente, temos uma vida inteira dedicada a uma profissão que antes de tudo é realmente um sacerdócio. Ser médico é um trabalho incessante e ininterrupto que só se dá bem quem ama o que faz. Não digo “quem se dá bem” como o fato de ficar rico. Hoje, nesse país, ninguém fica rico...

O ESTRANHO NO CEMITÉRIO

O PACTO – PARTE I Ele estava muito triste! Não sabia o que fazer da vida. Estevão era casado, pai de três filhos pequenos e descobriu que estava falido. O filho do meio estava com quatro anos e há seis meses estava doente. Passou esse tempo último internado em vários hospitais e pouco tempo em casa. Estêvão estava devendo muito...

JÁ PASSOU

“Já passou, já passou Se você quer saber, Eu já sarei, já curou Me pegou de mal jeito Mas não foi nada, estancou…”1 Assim como na música do Chico Buarque, as coisas passam. O mal que tanto mal nos faz, passa. O sofrimento, a dor intensa, passam. O desespero, o desengano, a perda passam. Um dia, passam. Um dia passa...

SEXTA-FEIRA

Fim da semana Não o fim de semana Mas a conclusão de vários dias de trabalho, correria e desassossego. Sexta-feira Hora de respirar e pensar que cumpriu-se o destinado, A lista de afazeres, As obrigações… Sempre as obrigações às quais nos fizemos ser obrigados a resolver… Sexta-feira Hora, dia, talvez poucos minutos De se...

ARROZ COM FEIJÃO E CAFÉ COM PÃO

_ “Majestade, o povo não tem pão! _ Ora, pois que comam brioches!” Esse diálogo atribuído à rainha Maria Antonieta (1755-93) mostrou, para zombaria mundial e até à atualidade, o quanto a rainha da França desconhecia os problemas do povo francês. Se pensarmos na época, no entanto, os franceses comiam brioches com regularidade...

MEUS MOINHOS DE VENTO

Eu queria parar de pensar Parar de imaginar o que está por vir Eu queria parar de esperar Parar de ter essa ansiedade terrível… Queria poder não ouvir, não falar Não ter que acreditar, não ter que jurar… Eu queria poder repousar Deitar a cabeça em um travesseiro macio e frio E dormir o sono dos justos… Queria esticar o meu corpo...