Artur Laizo Escritor – Página: 24 – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

Autor - Artur Laizo Escritor

FÁCIL

  Pensei que fosse fácil Esquecer o seu abraço, Seu jeito meio sem graça Ao me olhar e beijar…   Pensei que fosse fácil Não ouvir mais sua voz, Não sentir mais suas mãos, Seu olhar tímido, Seu sorriso alegre e às vezes triste, E as coisas que me falava E só você sabia por quê…   Pensei que fosse fácil, A...

A FESTA DERRADEIRA

  Quando escrevi “A festa derradeira” eu estava eu um momento especial da minha vida e, como ele, não estava vendo luz no fundo do túnel. A frase do livro surgiu na minha cabeça em uma fila de banco e comecei a desenrolar a história do Wagner. Escrever um livro é sempre uma criação íntima. Um livro é um filho amado e...

QUERO MAIS

Eu queria poder agora escrever muito. Eu queria poder agora sentar n’algum lugar ensolarado, esquentar-me do frio que me dilacera e… sei lá o que! Não que me sinta deprimido, não que me sinta distante, não que me sinta mais só. Sei apenas que ando como devo saber, vivo como devo cantar e penso como não devia sonhar… A fumaça...

PRANTEAR MEUS MORTOS

  Creio que chegou a hora de prantear meus mortos: Meus amores mortos, Meus sonhos mortos, Meus desejos mortos, Minha vida quase morta Por milhão de razões indeléveis.   E no velório dos meus mortos, Há tantos amigos que não virão, Deixaram de ser amigos, Há tantos amores que não virão, Deixaram de me amar a tempos, Há tanta...

CADERNO DE AUTÓGRAFOS

  Eu estava saindo do Cinema Central em Juiz de Fora, quando vi um rapaz de mais ou menos dezesseis anos pedindo autógrafo para os músicos da banda do cantor Ney Matogrosso, que acabara de fazer seu maravilhoso show. O menino conversava com os músicos anônimos e seus olhos brilhavam quando ele recebia o autógrafo. Não foram tantos...

BUDA

  Somos o que pensamos. Tudo o que somos surge com nossos pensamentos. Com nossos pensamentos, fazemos o nosso mundo.   Guardar raiva é como segurar um carvão em brasa com a intenção de atirá-lo em alguém; é você que se queima.   É a própria mente de um homem, e não seu inimigo ou adversário, que o seduz para caminhos...

SONHADOR

Chamaste-me um dia: – Sonhador! E eu, eu sonhava com castelos no ar, Com um puro e belo jasmim Que mostrava-me sempre o seu perfume…   Chamaste-me um dia: – Sonhador! E na mente eu esperava encontrar Um perfeito par, um doce amor, Um lindo dia, um beijo ardente…   E no meio destes meus sonhos, Havia luz, paz...

O MESTRE

  Ele entrara no ônibus, todo de branco, pasta verde de oleado sob o braço, como todo acadêmico iniciante voltando para casa, mostrando que fazia Medicina. E era daqueles que respiravam Medicina, sonhavam com Medicina, comiam e descomiam Medicina. Coitado! De repente, encontra um professor. O mestre, tentando ficar incógnito, lia um...