Artur Laizo Escritor – Página: 3 – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

Autor - Artur Laizo Escritor

O VAMPIRO MOR NA BIENAL DO RIO

Aqui estou eu: primeiro dia da XIX Bienal Internacional do Rio de Janeiro com as pernas reclamando por descanso e o corpo pedindo banho. Estou cansado e muito feliz de estar novamente envolto em tanta cultura, com tantos escritores dos quais sou fã e alguns que até me admiram um pouco. Achei que seria ruim vir para a Bienal e não ter nem mesmo...

EU QUERIA ESTAR

Queria muito estar Emaranhado nos teus braços, Envolvido pelo teu corpo, Aquecido pelo calor da tua pele… Queria muito estar Ouvindo o som do teu coração No contato com o meu peito E sentir nosso sangue se misturar… Queria muito estar Contigo nessa manhã fria Respirando o mesmo ar Trocando palavras, beijos, carinhos… Queria muito...

EU QUERO O ÓBVIO

Eu quero o óbvio Claro! O óbvio em todos os sentidos Quero o que me agrada Mas também o que seja fácil O que é aquiescível O que eu não tenha que brigar Que lutar para ter… Quero facilidade Quero ter a mão O que me aprouver Sem que eu tenha que desembainhar espadas Levantar bandeiras Criar barricadas Ir à luta.. Quero o óbvio O óbvio...

FEIRA LITERÁRIA DE RESENDE – RJ

Estou na 5 Feira Literária de Resende, no Estado do Rio de Janeiro. O local está lotado nesse momento de adolescentes bastante barulhentos, cheios de energia e hormônios. Já teve momentos de espaços vazios, como já tivemos momentos de “smurfs” – aquele bando de criancinhas de menos de quatro anos, ou beirando a tanto, todos...

CACHORRO QUENTE COM PURÉ?

Em 2013 eu morei em Londres por um tempo extremamente curto pelo meu desejo de ficar naquela terra por tempos e tempos. É uma cidade linda, MARAGNÍFICA, onde eu andava uma média de dez horas por dia a pé, conhecendo cada detalhe que poderia absorver de tudo lá. Voltar foi um momento bastante doloroso. Conto depois. Uma tarde, eu queria comer...

NÃO SEI MAIS AMAR

Não sei mais amar como já amei outrora, Não me dedico mais ao amor, como dantes. Não me prendo a carinhos, Afagos e beijos, paixões e desejos, Como já me permiti ter E enlouquecia se não os tivesse. Não sei mais me dedicar à ninguém Como houvera feito nos primórdios Não me preocupo mais com pedras Que por ventura no caminho...

ÍDOLOS

Nós queremos ser iguais a alguém. Queremos ter algo semelhante ao de alguém – alguns até querem ter o próprio objeto que a outra pessoa tem. Queremos nos comportar, nos vestir, falar, algumas vezes até pensar como outras pessoas. Queremos enfim, ter um corpo semelhante, ter um cabelo da mesma cor, usar um batom, ou uma cueca, ou uma...