BOM DIA – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

BOM DIA

Eu saí de casa naquele dia frio e cinza

E dei bom dia

Ao porteiro sorridente,
E dei bom dia

Ao vendedor de balas sempre presente,
Dei bom dia

Ao professor de musculação apressado,
Dei bom dia

Ao motorista do carro, sempre estressado,
Dei bom dia

À secretaria que está sempre elegante,
Dei bom dia

Ao varredor de rua
Dei bom dia

Ao guarda de trânsito sempre eficaz,
Dei bom dia

Ao policial militar encarregado da paz,
Dei bom dia

Ao padre que esperava fiéis na porta
Dei bom dia

Aos que a igreja conforta,
Dei bom dia

Ao dono da lanchonete
Dei bom dia

Ao menino ruivo de patinete,
Dei bom dia

A todos que passaram por mim
So nao dei bom dia a você

Que nunca esteve a fim
E eu continuo com saudade!

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quase quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor.

6 comentáriosDeixe um comentário

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *