CRÔNICAS – Página: 3 – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

Categoria -CRÔNICAS

ESPERANÇA

  O corpo moribundo, respirando por meio de aparelhos, ainda mantinha presa a alma que pensava já em unir-se a outras nos planos invisíveis. Os olhos baços, a pele ressequida, o coração sem vontade de bater, o ar que já não filtrava nos alvéolos mesmo empurrado pelo ventilador aos pulmões… O corpo se consumia na UTI. E na hora...

FRIO

  Frio! Frio! Frio! Frio como há muito tempo não fazia frio em Juiz de Fora. Eu, atravessando a avenida Rio Branco, correndo para ir para casa o mais rápido possível, deixei cair uma moeda que rolou pela avenida sem a mínima chance de eu pega-la. Parei do outro lado da avenida e tentando imaginar o que houvera perdido, sucumbi-me ao...

ALCÉPIO

  – Alcépio Carlos de Jesus – chamei o meu próximo paciente. Levantou-se um casal, vestidos a contento, roupas de boa qualidade e senti o cheiro: – o último banho deve ter sido na época do Dilúvio. – O que está acontecendo, Alcépio? – perguntei ao rapaz de seus vinte e oito anos de idade. – Sabe, doutor, eu...

VIAGENS – I

  A melhor forma de viajar é, sem dúvida, chegar ao Galeão e pegar um avião. Pode ser para qualquer lugar! Sempre pensava nisso quando tinha que voltar de Conselheiro Lafaiete, onde nasci e moram muitos parentes ainda, fazendo baldeção em Barbacena nos ônibus da ÚTIL e TRANSUR. Foi assim que aprendi a viajar no banco próximo à...

PONTO DE ÔNIBUS

Às vezes eu fico olhando os pontos de ônibus em horários de pico e pensando: como é bom voltar para casa depois de um dia de trabalho exaustivo. Você passa horas a fio no trabalho para tirar o sustento da família e está na hora de voltar para o lar. De manhã foi um sacrifício igual. Acordou cedo, com vontade e necessidade de dormir pelo...

CADERNO DE AUTÓGRAFOS

  Eu estava saindo do Cinema Central em Juiz de Fora, quando vi um rapaz de mais ou menos dezesseis anos pedindo autógrafo para os músicos da banda do cantor Ney Matogrosso, que acabara de fazer seu maravilhoso show. O menino conversava com os músicos anônimos e seus olhos brilhavam quando ele recebia o autógrafo. Não foram tantos...

O MESTRE

  Ele entrara no ônibus, todo de branco, pasta verde de oleado sob o braço, como todo acadêmico iniciante voltando para casa, mostrando que fazia Medicina. E era daqueles que respiravam Medicina, sonhavam com Medicina, comiam e descomiam Medicina. Coitado! De repente, encontra um professor. O mestre, tentando ficar incógnito, lia um...