CRÔNICAS – Página: 5 – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

Categoria -CRÔNICAS

O APAGÃO

Cheguei a minha casa, cansado de um plantão agitado na UTI e, após o lanche, sentamo-nos na sala de televisão, minha sogra, minha esposa, meu filho e eu. Eu tentava ver no Fantástico a notícia do falso padre que comandava um negócio de venda de órgãos no México, minha sogra me contava sobre sua casa na infância, minha esposa me falava de...

NA FARMÁCIA

  Eu estava na farmácia para comprar antibióticos que receitara para minha sogra. Ante a lentidão do atendimento dos três balconistas, não pude deixar de ouvir a conversa de suas mulheres altamente decoradas de vermelhos, dourados, prateados e coisas afins e, na maioria das vezes, sem sempre afins, que conversavam com um...

SABER SORRIR

  Então, ele se instalara naquela cadeira pequena, pequena e desconfortável, e sorria para o nada. Nada presente em tudo e tudo tão somente nada, mas ele precisava sorrir. Não era seu aniversário, mas ele precisava sorrir. O elevador parou e, de repente, entrou um velho com uma bengala e ele sorriu, ao que o velho não sorriu a ninguém...

O TÚMULO DA MÃE

  Ele ia ao túmulo da mãe todos os dias. Ele chegava sozinho, sempre com um chapéu que cobria o topo da cabeça, mas que deixava os longos cabelos loiros soltos por baixo. Envolvia o pescoço com um cachecol xadrez bege com preto nos dias frios para não “pegar friagem na garganta”. Ele olhava o túmulo simples naquele cemitério onde...

VAMPIRO

  Ele saiu do quarto escuro e cambaleante andou pela rua também escura. Ele não conseguia ver nada a frente, mas sabia que deveria seguir em frente. A noite estava escura e a lua há muito se escondera para não ser cúmplice daquilo que iria acontecer. Ele não bebera demais, mas sabia que não estava normal. Havia alguma coisa na sua...

FOI MELHOR PARA ELA

Ela estava ali internada naquela enfermaria simples, rodeada de outros doentes que, como ela, viviam suas doenças antigas ou novas e sofriam o peso de suas idades e de toda a carga de estragos que o tempo lhes causara. Ela sofrera um ataque cardíaco aos oitenta anos e trouxeram-na para o hospital. Único hospital da região especializado em...

O ALVARÁ

Depois de dias esperando a liberação de um alvará para realizar um evento de saúde na praça da cidade, eu fui ao órgão competente procurar a resposta. – Olá, disse o rapaz velho conhecido de todas as semanas que eu procurei para ter a resposta do alvará, tudo bem? – E aí? Alguma resposta? – Uai, já saiu daqui e já...

O feijão

  Há três dias na praia e somente agora ele se apercebera que deixara o feijão no fogo. Não se importava com a casa, a casa tudo bem, mas o feijão no fogo… E o pior é que ele não comera o feijão. Colocara para esquentar e sonhava em saborear o “feijão gordo”, mas a turma chegou e ele partiu para a praia. E somente agora ele...

Tudo bem?

  E aí aquele amigo me perguntou, passando por mim, na rua: _ Tudo bom? Tudo bom nada, pensei, estou indo trabalhar todo de branco nessa chuva que não para e não cai de vez, estou cansado de tanto correr de um lado para o outro nesse calorão infernal e não posso morar dentro de um iceberg, queria poder parar e jogar as pernas pra cima e...