POESIAS – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

Categoria -POESIAS

SONETO DA MORTE

Talvez a mais esperada dentre as criaturas Seja menos temida a cada novo porto E com o passar do tempo e quanto mais a aturas Seja a amiga e te dará alento paz e conforto. Talvez a tão temida e feia sombra escura Seja menos sombria e fria nas alturas De quanto mais vivemos e tanto mais torto Seja nosso caminho, mais bela e mais...

PREFERÊNCIAS

Nem todo mundo tem que amar a roça, Nem todos têm que viver na cidade, Há quem goste muito de natureza, Ha quem não tolere a paz do interior… Eu prefiro o rebuliço e tumulto De um grande centro barulhento e belo Ao silêncio, ar puro e vida campestre. Vivo bem no meio de uma metrópole, Mas não consigo dormir no silêncio Do campo...

VERDADEIRO

O que eu quero da vida? Não sei! Saberei Algum dia? Será? Um homem como eu, Cheio de ideias, louco seria e não sei O que é mais importante no caminho meu. Eu vivo como eu quero, eu vivo como um rei Mas nada do que tenho ou faço, não sou eu Quem escolhe nessa vida o que um dia serei Pois sigo com minh’alma angustiada e revel. O que eu...

A VIDA

A noite está em silêncio! O dia foi em silêncio! As almas estão, No entanto, Em rebuliço… A noite está bem escura! O dia não foi tão claro! As pessoas estão, Quase todas, Em desespero… A vida está muito pesada! Dores e insegurança presentes! Estamos todos, todos, Universalmente, No vazio… Estamos todos em silêncio, No escuro...

A MORTE

A morte espreita quieta na noite tão fria Enquanto a chuva molha o mundo ao seu redor Não há ninguém que possa andar com alegria Porque a escuridão teima em distribuir dor… A morte de roupagem negra e tão sombria Não escolhe lugar, e por onde ela for Levará destruição, perdas louca sangria Como uma ave de agouro intenso e grande...

PARA SEMPRE

Um grito na noite Dois gritos na noite Três sons perdidos! Um sorriso franco, Dois risos contidos, Três às gargalhadas! Um litro de álcool Dois pratos, petiscos. Três copos comuns. U’a música no ar, Dois fatos lembrados, Três homens que riem. U’a noite comum, Dois fortes abraços, Três beijos de amor É a noite que avança, E o álcool...

PRECISAMOS VIVER

Um suspiro profundo, Uma pausa na respiração, Medo! Medo! Estamos todos com medo! E o inimigo é invisível. Estamos lutando Contra o que não sabemos, Estamos fechando as portas, Trancando-nos em nossas casas, Deixando de abraçar quem amamos, Sofrendo sozinhos. Porque juntar pessoas Nos mata! Saudade! Eu quero abraçar meus amigos Eu quero...

ENCONTRO

No encontro dos corpos O amor, a dor, a excitação O desejo falando mais alto O cheiro, o gosto, o suor A noite convidando ao sexo A vida, a espera, a vontade As peles no contato mais íntimo A pele, os pelos, o carinho… Os corpos entrelaçados As pernas, os braços, os lábios O calor trocando de peito O peito, o ventre, o dorso Mais há...

LOUCURA DE SER ESCRITOR

A loucura bate à minha porta E eu preciso escrever. A angústia, a esperança, A insensatez e o sonho, O amor, talvez o ódio Saem pelos meus dedos. A loucura ronda minha mente E meus amigos convivem Com meus vampiros e bruxas, Com meus anjos e demônios, Com minhas fadas, magia e sobrenatural, Com tudo que crio e escrevo. A loucura está cada...

AMIGOS

Eu sou muito feliz Porque eu tenho amigos! Eu tenho amigo vampiro, Tenho amigo lobisomem, Amigo bruxo, amiga bruxa, Fada, quase fada, maga. Eu tenho amigo elfo, Amigo invisível. Eu tenho amigo hetero, gay, Amigo eu não sei. Tenho amigo tubarão, Amigo cachorrão, Eu tenho amigo gato, Tem amigo que é chato. Tenho amigo morcego, Libélula...