Sem categoria – Página: 2 – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

Categoria -Sem categoria

VIAGENS II

Outra vez, também durante uma volta minha de Conselheiro Lafaiete para Juiz de Fora, o fato foi muito interessante. Entrei no ônibus na rodoviária e a cidade inteira estava “pegando fogo” com o CARNALAFÁ – carnaval temporão – se bem me lembro, em agosto. Claro que, como sempre, me sentei à janela e, som ligado, fones de ouvido...

A MANSÃO DO RIO VERMELHO

O aparecimento do corpo decapitado de uma jovem loira em um terreno baldio dá início a uma busca pelo assassino. Mobiliza a polícia e a população em busca da verdade. Seria mais um assassinato do serial killer do norte do país? Jaime é um psicólogo que adora mistérios e sabe quem é o verdadeiro autor de crime tão brutal. Mas ele é...

PERVERTENDO

Gostaria de viver outra vez assim: – O meu violão, a minha Yoga, As minhas noites vagas, porém calmas, O meu chá, os meus pincéis e tintas, Uma constante busca do meu pequeno, Insignificante talvez, Mas real desejo do desconhecido mundo.   Gostaria de viver outra vez assim; – Sem saudades dos meus amigos, minhas...

SONHADOR

Chamaste-me um dia: – Sonhador! E eu, eu sonhava com castelos no ar, Com um puro e belo jasmim Que mostrava-me sempre o seu perfume…   Chamaste-me um dia: – Sonhador! E na mente eu esperava encontrar Um perfeito par, um doce amor, Um lindo dia, um beijo ardente…   E no meio destes meus sonhos, Havia luz, paz...

AS BRUXAS – TERCEIRO CAPÍTULO

Na mesa as velhas emanavam uma luz amarela que iluminava toda a casa. Continuavam cantando e falando coisas que JP não entendia muito bem. As velas tremiam com os gestos que as bruxas executavam para orar, para emitir alguma emoção mais forte. As taças foram repletas de vinho e água e Maria da Dores colocou as mãos por cima delas e as benzeu...

AS BRUXAS – SEGUNDO CAPÍTULO

Quem chegou primeiro foi Maria do Rosário. Trouxe uma cesta de pão de queijo que estava matando a todos de vontade de comer pelo cheiro maravilhoso que impregnava tudo. Sorriu para a amiga e deixou a cesta na cozinha. Veio para a sala e sentou-se no sofá. As duas não trocaram uma palavra. Fazia parte do ritual da meia noite elas não...

FELIZ

Sempre pensei em ti primeiro. Arrasei minha vida em vários momentos, Destruí diversas vezes as estacas da ponte Que me unia ao resto do mundo E sempre que quis fugir de ti Caia no vazio e me afogava No rio de lágrimas que chorei por ti.   Eu sempre quis ter-te ao meu lado Buscando iluminar minha existência E fechei todas as...

POETA

Por que poesia? Porque através dela, com poucas palavras, podemos expressar um sentimento imenso! Porque através dela, podemos amar, odiar, jogar pra fora tudo o que nos incomoda e tudo o que nos impede de ser felizes! O poeta é triste? Na maioria das vezes o poeta é triste, é solitário, é um amante não correspondido que sofre por uma...

AS BRUXAS – PRIMEIRO CAPÍTULO

Naquela cidade pequena do interior, na última sexta-feira de cada mês, reuniam-se as cinco mulheres mais velhas do município para tomar um chá à meia noite. Sim! Um chá a meia noite! As famílias delas não se importavam com a reunião das velhas e como era uma cidade pequena, ninguém nunca vira ou ouvira dizer o que acontecia no chá da...