CONTIDOS EM SILÊNCIO – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

CONTIDOS EM SILÊNCIO

Insuportavelmente quieto e silencioso

Meu coração bate calado,

Tentando não ser ouvido.

Presa na sombra, imóvel, apagada,

Minha alma sussurra ao vento,

Na intenção de não ser sentida.

Meu corpo, como que atado a ferros,

Não move um músculo, um pelo,

Para passar despercebido…

 

Mas minha mente, irrequieta, doidivana,

Busca-te onde possas estar

E fantasia jogando-me em teus braços.

Faz meu coração bater descompassado

E minha pele arrepiar-se

Como se a tocasses…

Meu corpo entra em rebuliço

E se debate contra tudo que a razão

Define como o melhor a ser feito…

 

Mas será o amor, submisso a razão?

Será que o desejo pode ser contido

Por decisões pré-estabelecidas?

A busca do teu corpo me fascina

E o sonho quer se tornar real.

Mas será que não é um sonho

Sonhado por um único sonhador?

Minha alma, meu coração, meu corpo

Vão continuar contidos em silêncio…

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quase quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor.

2 comentáriosDeixe um comentário

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *