É DIFÍCIL MORRER – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

É DIFÍCIL MORRER

 

Quando eu escrevi “É DIFÍCIL MORRER” eu quis mostrar a vida de pessoas que na realidade não têm uma vida plena. Tive a ideia dentro da UTI quando recebi um morador de rua politraumatizado e comecei a pensar sobre a vida desses pobres coitados e o que poderia esperar por eles depois de um tratamento que nem sempre seria isento de deixar sequelas importantes físicas, mentais e psicológicas.

Não foi minha ideia escrever um livro técnico, mas utilizar um hospital e uma UTI para desenvolver uma história de ficção onde os personagens cruzam suas vidas e aprendem uns com os outros sobre vida e sobrevivência no mundo atual. Estamos sempre aprendendo com a vida a viver. E aprendemos com as pessoas que conosco aprendem também a viver as suas vidas. Mas é esse conjunto de elos entre os seres humanos que nos fazem mais fortes, ou mais fracos, seguir em frente, ou desistir. Enfim, nesse livro os personagens vão dar suas vidas para que os outros tenham suas vidas melhores.

José Maurício é um pobre coitado sem teto que se vê em uma situação de quase morte. Atropelado por um desconhecido, ele é encaminhado moribundo para o CTI de um hospital. Cuidado pelo incansável Dr. Eduardo, entre momentos de lucidez e coma ele relembra a vida de erros e acertos e a busca incessante de sobreviver em um mundo que sempre lhe fora hostil. Por algum tempo, usou o seu corpo para ganhar o sustento de cada dia e foi amado por homens e mulheres. Mas o destino quis que ele continuasse pobre, sem família, sem ninguém. A envolvente atuação do medico na recuperação do paciente fez com que Eduardo encarasse todas as mazelas de sua própria vida de forma positiva e desse a volta por cima. Eduardo iria sobreviver à sua própria vida? José Maurício sairia do hospital recuperado?

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quase quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor.

2 comentáriosDeixe um comentário

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *