ENGASGOS – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

ENGASGOS

 

Solidão é o espelho da morte,

Que chega devagar e vai matando aos poucos.

Transforma dores da alma em dores físicas.

Esperança em tristezas,

Momentos em desafios,

Dores em mais dores.

 

Alma que dói, vida que dói!

Solidão é um estado da alma,

Que chora, mesmo nas alegrias.

Solidão é uma lagrima que rola,

Uma saliva que desce na garganta

E provoca engasgos…

 

Solidão é um momento qualquer

Em que abrimos os olhos

E percebemos que apesar de todos

Estamos sós… Eternamente só.

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quase quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *