ÉTER VERMELHO SANGUE – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

ÉTER VERMELHO SANGUE

Preciso do éter vermelho como sangue
Para anestesiar minha mente
E diminuir a fúria do vulcão
A lava incandescente de ideias
O vapor inebriante de desejos
A loucura que não me permite parar…

Preciso do vermelho liquido viscoso
Que me desce pelo pelo corpo
E me sobe até o cérebro fervente…
Apaziguar a inquietude
Amenizar o rebuliço constante
E me deixar respirar, às vezes…

Preciso desse sangue vivo e quente
Que posso sorver e completar minhas veias
Fazer meu coração bater ritmado,
Calmo e em poucos momentos, em paz…
Preciso desse líquido vital
Que agora me traz paz. Só paz!

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quase quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *