ETERNO SOLITÁRIO – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

ETERNO SOLITÁRIO

solitario

Sou o eterno solitário

Que vaga nas ruas desertas

Procurando paz.

 

Sou o eterno solitário

E procuro matar

minha sede,

minha fome,

minha ânsia

De encontrar a liberdade,

a justiça verdadeira…

 

A voz cala-me no peito,

As lágrimas secam-se em seu ventre.

não posso falar,

não devo chorar…

Serei eu o único solitário?

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quase quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *