EU NÃO VOU APAGAR A TOCHA – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

EU NÃO VOU APAGAR A TOCHA

Eu, às vezes, fico imaginando como seria bom morar em outro país onde tudo fosse politicamente, socialmente correto. Onde as pessoas fossem mais patriotas e amassem seu país como parte de si mesmas. Às vezes, fico pensando: por que os brasileiros não são tão apaixonados pelo Brasil?

Nosso povo está acostumado a criticar o país e aceitar a mamata que lhe é oferecida. Está acostumado a criticar a corrupção, mas também praticar atos menores de falcatruas que não deveriam acontecer em hipótese nenhuma.

Na esfera máxima do governo há corrupção e roubo, nas esferas menores, nas menores instâncias da política, há sempre o favoritismo e a sessão de favores e obséquios onde deveria haver trabalho e seriedade.

Não temos vacinas, não temos leitos de hospital, não temos comida nas casas de muitos brasileiros. Vamos pras ruas criticar e apagar a tocha olímpica! Claro! A culpa é da Olimpíada!

O dinheiro que não chega para os hospitais públicos e/ou cidades do interior do país, onde ainda se morre de doenças comuns como apendicite, ou procedimentos comuns como partos, não é culpa da tocha.

Ter ou não ter Olimpíada no Brasil? Ter um evento maravilhoso em um país conhecido mundialmente pelo futebol, pelo vôlei, por tantos atletas importantes, é uma forma de dar uma alegria ao povo. É uma forma de mostrar que estamos no páreo de grandes nações.

O que o país precisa é de brasileiros que pintem a cara de verde e amarelo, vistam-se de verde e amarelo, tenham um coração verde e amarelo sem ter vergonha de serem brasileiros.

Temos que lutar para ter um país sério e verde amarelo. Temos que ser brasileiros e, vestindo o manto de nossa bandeira, consertar o que está atrapalhando esta nação ser maravilhosa como deveria sempre ser.

Eu não vou apagar a tocha! Ao contrário disso, fui pra rua, aplaudi e chorei de emoção ao vê-la passar.

Vamos torcer por nossos atletas que vão mostrar ao mundo que o Brasil tem esportes, tem competição e, se acreditarmos, será o melhor lugar do mundo.tocha-olimpica-rio-2016-foto-ilustrativa-divulgacao

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quase quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *