LES MISÉRABLES – MUSICAL – MINHA OPINIÃO – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

LES MISÉRABLES – MUSICAL – MINHA OPINIÃO

Les Misérables, também conhecido informalmente por Les Mis ou Les Miz, é um musical francês composto por Claude-Michel Schönberg em 1980, com libreto de Alain Boublil e letras de Herbert Kretzmer.

Primeira apresentação: 8 de outubro de 1985

Compositor: Claude-Michel Schönberg

Autores: Claude-Michel Schönberg, Alain Boublil

Personagens: Jean Valjean, Cosette, Éponine, Javert, Fantine, MAIS

Letristas: Alain Boublil, Herbert Kretzmer, Jean-Marc Natel

 

A montagem brasileira está no Teatro Renault

Avenida Brigadeiro Luís Antônio, 411, 01317-000

Telefone (11) 2846-6060

 

Vencedor de mais de 125 prêmios internacionais e agora o musical mais antigo do mundo, Les Misérables está no Teatro Renault até o dia 10 de dezembro. Baseado no clássico romance de Victor Hugo (1862), o espetáculo, em contraste com o cenário da França do século XIX, conta uma história fascinante de sonhos, amor, paixão, sacrifício e redenção – um testemunho atemporal para a sobrevivência do espírito humano.

O elenco principal traz o Leo Wagner na pele do protagonista Jean Valjean; Nando Pradho vivendo o inspetor Javert; Kacau Gomes como a pobre Fantine; Clara Verdier no papel de Cosette; Laura Lobo como Eponine; Filipe Bragança como Marius; Pedro Caetano dará vida a Enjolras; e Ivan Parente e Andrezza Massei como os desprezíveis Thenardier e Madame Thenardier, respectivamente.

O ensemble é composto por Roberta Jafet, Camilla Marotti, Davi Barbosa, Jessé Scarpellini, Lucas Cândido, Douglas Tholedo, Leticia Soares (Cover Madame Thenardier), Raquel Antunes (Cover Madame Thenardier), Lara Suleiman (Cover Eponine), Cássia Raquel (Cover de Fantine e Eponine), Laís Lanci (Cover de Cosette), Pamela Rossini (Cover Cosette), Leo Wagner (Cover Jean Valjean), Max Grácio (Cover Javert), Bruno Sigrist (Cover Jean Valjean), Vitor Moresco (Cover Grantaire), Henrique Moretzsohn (Cover Marius), Gabriel Falcão (Cover de Enjolras e Marius), Rodrigo Negrini (Cover de Enjolras), Luíza Lapa (Swing Feminino), Vânia Canto (Swing Feminino), Fellipe Guadanucci (Swing Masculino), Thiago Lemmos (Swing Masculino e cover de Thenardier), Diego Velloso (Swing Masculino e cover Thenardier), Ashley Bernardi (Jovem Cosette), Isa Cavalcante (Jovem Cosette), Luíza Nery (Jovem Cosette), Gabrielly Saiury (Jovem Eponine), Sophia Lins (Jovem Eponine), Taby Carvalho (Jovem Eponine), Matheus Leandro (Gravoche), Nicolas Cruz (Gravoche) e Lorenzo Tarantelli (Gravoche).

Eu sempre gostei muito de musicais contrariando o gosto de muita gente que não gosta. Fui ao teatro porque tive a oportunidade de ter um dia livre em São Paulo e porque o ator/cantor que faz o Jean Valjean é eu amigo no Facebook e eu acompanhei todas as suas postagens na sua página, Leonardo Wagner.

O teatro é lindo e muito grande.

O espetáculo começa com escravos remando uma nau e sendo açoitados pelo feitor vilão. Jean Valjean recebe uma “carta de alforria” que não lhe permite trabalhar em nada, frequentar lugar algum enfim, ele foi jogado no mundo e continua sendo perseguido pelo inspetor Javert (Nando Pradho). Existe uma reviravolta na vida de Jean Valjean e uma linda história de amor no meio de uma época conturbada da revolução francesa.

O barco é lindo? É maravilhosa aquela cena dos remos. Mas a surpresa vem todo o tempo. Existe no palco uma ambientação de Paris, uma ponte do Rio Sena, uma casa com um muro e um portão de ferro… Existe em uma cena, uma barricada de guerra e uma guerra no palco. Tiros e mortes prendem nossa atenção o tempo todo como se também estivéssemos com os trabucos em mãos para defender nossos heróis.

Não dá para contar tudo o que acontece no palco para não tirar o brilho da surpresa de quem for assistir.

Eu chorei! Muita emoção e muita alegria de estar ali vendo aquele elenco sensacional contando uma história de tantos anos e tão vívida.

E os atores/cantores? Que beleza! Todos cantam muito! Todos têm uma força e uma energia que nos dá um prazer imenso de ver o desenrolar da trama.

Eu saí do teatro muito emocionado e satisfeito de ter participado dessa apresentação. Agradeço muito ao meu amigo Leonardo Wagner de quem segui por tanto tempo as postagens e que me aguçou a vontade de ir assistir.

O espetáculo fica em cartaz até 10 de dezembro só. Uma pena! Mas outros virão e eu vou estar lá. Aproveita e vá ao Teatro Reanalt assistir e se emocionar com “Les Misérables”.

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quase quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *