MEU JEITO SOLO DE SER – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

MEU JEITO SOLO DE SER

Talvez a essência

Da minha matéria

Sobrexista a tempestade

E não me atinjam raios

Não me derrubem furacões

Talvez eu passe,

Talvez resista.

 

Vou resistir a tudo

Vou sobreviver a todos

Vou conseguir guardar

Pra mim, só pra mim,

Minhas incongruências todas,

Minha inconseqüência,

Meu jeito solo de ser.

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quase quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor.

1 comentárioDeixe um comentário

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *