MORTE – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

MORTE

Não quero mais falar da morte!

Parece que cultivo e anseio

Pela passagem derradeira

Não quero mais desejar morrer!

Tenho que lutar pela vida

Embora não haja motivos,

esperança,

objetivos,

nada!

Não acredito, no entanto,

Que acabando com essa existência,

Resolva meus conflitos mais íntimos,

Acabe com a desilusão,

Consiga achar a luz depois do breu,

Consiga a calma, a fleugma

De desejar construir alguma coisa.

O que tive que fazer

Está pronto: – está errado!

Deixei perder cada espaço,

Cada afeto, cada beijo!

Deixei morrer tudo ao meu redor

E eu não posso mais

Na redundância

– falar da morte!

– desejar morrer!

– continuar morrendo!

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quase quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *