NADA POR FAZER – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

NADA POR FAZER

 

De repente, quando não tenho nada por fazer

E me entra pelos poros uma ansiedade qualquer,

Eu ando pela casa,

eu como,

eu urino,

eu bebo água, leite, chá,

Ligo a televisão,

boto um disco a rodar,

ouço rádio,

dedilho o violão

E não me prendo a nada que faço,

Talvez por divergência

Entre a vontade e o fato,

Entre o desejo e a ação!

Torno-me então inerte,

Nervoso, impotente, apático

E recomeço a procura do que fazer,

N’alguns poucos momentos em que me permito

Não ter nada em mãos, em pensamentos…

N’alguns momentos do nada por fazer!

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quase quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor.

2 comentáriosDeixe um comentário

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *