NADA – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

NADA

Eu sei que eu sou dois,

três,

mais…

Sei que sou bastante.

E com certeza não basto,

Sei que sou tudo,

E com certeza creio-me nada!

 

 

Eu sei  que sou nada!

 

 

Um monte de nadas,

Um nada total.

 

 

Eu sei que sou dois!

três!

zero!

 

 

Sou tão nada que o nada me assusta.

E o nada me é nada,

E o nada sou eu,

Zero!

 

 

Sou mais nada que o zero,

Pior que o nada:

– Sou só eu!

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quase quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *