OS SÍRIOS EM JUIZ DE FORA – WILSON DE LIMA BASTOS – RESENHA – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

OS SÍRIOS EM JUIZ DE FORA – WILSON DE LIMA BASTOS – RESENHA

Título: OS SÍRIOS EM JUIZ DE FORA
Autor: Wilson de Lima Bastos
Editora: Edições Paraibuna
Ano de publicação: 1988
ISBN: 85-306-001-0
Páginas: 252
Gênero: Pesquisa histórica

Opinião na orelha do livro:
Com o presente trabalho “Os Sírios em Juiz de Fora”, Wilson de Lima Bastos lança ao público o seu trigésimo terceiro livro.
Polígrafo, o autor vem percorrendo diversos setores da literatura, em alguns dos quais obtendo prêmios de alta significação como:
– em 1973, prêmio do Ministério dos Transportes ao trabalho “DO CAMINHO NOVO DOS CAMPOS GERAIS À ATUAL BR-135”, quando do concurso sobre 150 anos de transportes no Brasil (1822-1972);
– em 1978, prêmio Joaquim Nabuco (História Social), da Academia Brasileira de Letras, conferido ao livro “NA SOMBRA DAS AROEIRAS”, o primeiro Romance do Ciclo do café na Zona da Mata de Minas Gerais, já sendo quatro os romances que teve a oportunidade de editar sobre o citado tema;
– Pela Universidade Federal de Juiz de Fora, o prêmio Dr. Antônio Procópio de Andrade Teixeira ao livro “Sob o Signo da Esperança”, o segundo Romance do Ciclo do Café, editado em 1977;
– em 1983, prêmio Clio de História ao livro “ÁCADEMIA DE COMÉRCIO DE JUIZ DE FORA – O PRIMEIRO INSTITUTO DE ENSINO SOPERIOR DE COMÉRCIO NO BRASIL” (Subsídios para a História e a Historiografia), concedido pela Academia Paulistana de História.

Resenha:
O livro é ótimo! É uma pesquisa histórica fantástica. O prefácio é de Almir de Oliveira, escritor, advogado e jornalista de Juiz de Fora.
Na introdução o autor fala da imigração dos Sírios, principalmente da cidade de Yabroud, para a cidade de Juiz de Fora. “Juiz de Fora é um composto étnico variado, no qual entram portugueses, negros, alemães, italiano, espanhóis, sírios e libaneses como elementos fundamentais” – disse ele.
Segue-se então um capítulo falando da história da Síria desde a Mesopotâmia, em séculos antes de Cristo e toda a evolução histórica desse país.
Expõe então em outros capítulos construções importantes de Juiz de Fora como a Igreja Melquita – sua construção, seu povo e principais acontecimentos da igreja. O Clube Sírio e Libanês de Juiz de Fora – construído através de uma assembleia em 26 de outubro de 1964 com a Sociedade de Juiz de Fora.
Seguem-se depois, entrevistas que o autor fez com Sírios ou descendentes desses que moravam em Juiz de Fora: Neman Salomão, Antônio João Mockdeci, Wadih Neif Haddad, João José Mockdeci, David Simão Hallack, José Gatás Bara, Antônio José Mockdeci, Jorge José Mockdeci, Abrahão Antônio Arbex, Nagib João Bara, David Miguel Cury, Nicolau Ibrahim Arbex, Salim Miguel Cury, Wady Abrahão Cury Arbex, Wady José Rahme, Elias Neif Arbex, Abrahão Elias Hallack, Felipe Salim Andraus, Demétrio Francisco, José Aiz Jabour Arbex, Salim João Arbex, Abdo Salim Arbex, Ata Dahbar, Elias Assaf Arbex, Salim Meana, Antônio Salim Meana, Rafic Salim Meana, Miguel Saba Arbache e vários outros. Fala ainda de casamentos entre as famílias e casamentos com brasileiros.
O livro é uma viagem pela história e eu recomendo OS SÍRIOS EM JUIZ DE FORA de Wilson de Lima Bastos.

O AUTOR:

Wilson de Lima Bastos__ Nasceu em 07 de agosto de 1915, em Juiz de Fora, estado de Minas Gerais. Faleceu em 20 de outubro de 1998.
Professor universitário, advogado, sociólogo, dentista, escritor e genealogista.
Possuía os cursos de Direito, Odontologia, Sociologia, Higiene, Odontologia Legal, Política, Filosofia, Teoria da Música e História da Música.
Diretor Tesoureiro do Instituto Cultural Santo Tomás de Aquino. Diretor da Divisão de Patrimônio Histórico e Artístico e também Vereador à Câmara Municipal, de 1947 a 1950.
Pertenceu a inúmeras instituições culturais: Institutos Históricos e Geográficos: Brasileiro, de Minas Gerais, de Juiz de Fora (fundador e presidente), do Espírito Santo, de Niterói e do Direito Brasileiro, RJ; Academia Paulistana de História – SP; Instituto Genealógico Brasileiro – SP; Instituto de Estudos Valeparaibanos, Guaratinguetá-SP; Instituto de Direito Humanos de Juiz de Fora – MG; Instituto Cultural Santo Tomás de Aquino – Juiz de Fora, MG; Academias: Brasileira de Literatura – RJ, Juizforana de Letras (presidente e fundador), Espiritossantense de Letras – Vitória, ES, Fluminense de Letras – Niterói,RJ, Santamarense de Letras – SP, Goianense de Letras – GO, de Letras de São d´El Rei – MG, de Letras Municipais do Brasil – SP, Feirense de Letras – Feira de Santana, BA, Anapolina de Filosofia, Ciências e Letras – GO, Internacional de Jurisprudência e Direito Comparado – RJ, Brasileira de Ciências Sociais – RJ, Brasileira de Ciências Morais e Políticas – RJ; International Academy of Letters of England; Cenáculo Brasileiro de Letras e Artes – RJ; Sociedade Brasileira de Geografia; Centro de Estudos Sociológicos de Juiz de Fora (fundador e presidente); Conselho de Amigos do Museu Mariano Procópio, Juiz de Fora, MG; Comissão Mineira de Folclore – Belo Horizonte, MG; Fundação José Luiz Pasin – Roseira, SP; Associação dos Cavaleiros Templários do Brasil; Ordem dos Bandeirantes – SP; Ordem dos Bandeirantes – MG, Ordem do Mérito e Cavaleiresca de Santo Amaro – SP; Instituto dos Advogados Brasileiros- RJ. No Colégio Brasileiro de Genealogia, foi admitido em 12 de setembro de 1988 e eleito Titular em 23 de janeiro de 1989.

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quase quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor. É membro da Academia Juiz-forana de Letras e da Academia de Ciências e Letras de Conselheiro Lafaiete e presidente da Liga de Escritores, Ilustradores e Autores de Juiz de Fora - LEIAJF.

2 comentáriosDeixe um comentário

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *