PONTUAÇÃO – 3ª PARTE – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

PONTUAÇÃO – 3ª PARTE

Travessão ( — )

 

  1. a) dar início à fala de um personagem em uma história:

Ex.: O filho perguntou:

— Pai, quando começarão as aulas?

 

Um sorriso largo encheu o rosto lindo do vampiro.

_ Olá! Como vão? – perguntou ele. – Que bom que vocês trouxeram o seu amigo. Naquele dia, no restaurante, não pudemos conversar direito, não é César – disse ele se levantando e cumprimentando o rapaz na mão.[1]

 

  1. b) indicar mudança do interlocutor nos diálogos

 

Ex.: – Doutor, o que tenho é grave?

– Não se preocupe, é uma simples infecção. É só tomar um antibiótico e estará bom.

 

… “a mulher assustou-se quando percebeu que na linha estava seu sobrinho.

_ Tudo bem, tia? – perguntou ele.

_ Tudo sim – respondeu ela. – Aconteceu alguma coisa? Morreu alguém?

_ Não, tia. Claro que não – riu ele. – Eu queria ir aí te ver e estou ligando para saber se a senhora está em casa.”[2]

 

 

  1. c) unir grupos de palavras que indicam itinerários

 

Ex.: A rodovia Belém-Brasília está em péssimo estado.

 

Dicas:

Também pode ser usado em substituição à virgula em expressões ou frases explicativas

 

Ex.: Xuxa — a rainha dos baixinhos — será mãe.

Douglas – o vampiro de Juiz de Fora – morava no Parque Halfeld.[3]

 

ASPAS ( “ ” )

  1. a) isolar palavras ou expressões que fogem à norma culta, como gírias, estrangeirismos, palavrões, neologismos, arcaísmos e expressões populares.

Exemplos:

 

Maria ganhou um apaixonado “ósculo” do seu admirador.

A festa na casa de Lúcio estava “chocante”.

Conversando com meu superior, dei a ele um “feedback” do serviço a mim requerido.

 

  1. b) indicar uma citação textual

 

Ex.: “Ia viajar! Viajei. Trinta e quatro vezes, às pressas, bufando, com todo o sangue na face, desfiz e refiz a mala”. (O prazer de viajar – Eça de Queirós)

 

Dicas:

Se dentro de um trecho já destacado por aspas, se fizer necessário a utilização de novas aspas, estas serão simples. (‘ ‘)

Quando utilizamos uma palavra em língua estrangeira ela deve ser digitada em itálico.

 

 

Recursos alternativos para pontuação:

 

Parágrafo ( § ) – Usamos como marcação para um texto em criação.

Chave ( { } ) – Muito utilizada para agrupar coisas como em  uma lista, onde dois ou três elementos se diferenciam de outros;

Colchete ( [ ] ) – intermediário entre a chave e o parêntese, podemos utilizar em uma frase onde precisamos destacar alguma coisa de outra destacada posteriormente.

 

Barra ( / ) – muito utilizada para definição de datas:

Ex.: 25/06/2018

 

Ou em expressões como:

Ex.: Ele pode comprar e/ou vender tudo o que tem em mãos.

 

Asterisco (*)

 

Serve para indicar uma referência que normalmente vem no final da página.

 

É necessário lembrar que temos outros símbolos gráficos, alguns deles utilizados na matemática que podem ser utilizados em uma conversa informal em aplicativos, mas jamais devem ser utilizados como outra coisa a que se prestam.

Sinal de adição (+): serve para expressar uma adição:

2+2 = 4

Sinal de igualdade (=): serve para dar um resultado na matemática: 2×3= 4

Sinal de multiplicação (x): serve para multiplicar:

4×8= 32

Sinal de divisão (:) ou (÷): serve para indicar divisão:

81:3= 27

Símbolo de maior (>): na matemática indica maior

Símbolo de menor (<): indica menor.

 

Coloquei esses símbolos como poderia incluir tantos outros, para mostrar que escreve-se muito errado e em documentos oficiais o uso de símbolos —> ou ===> indicando direção ou resultado ou consequência é completamente errado. Da mesma forma utilizar “Haschtag” como sequência de tópico se torna completamente errado em documentos oficiais. O símbolo # serve hoje, na informática para relacionar os tópicos entre si e chamar a atenção na pesquisa por determinados temas.

 

 

https://www.portugues.com.br/gramatica/pontuacao-.html

https://www.portugues.com.br/gramatica/para-que-serve-uma-hashtag.html

https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/gramatica/funcoes-asterisco.htm

 

[1] A Mansão do Rio Vermelho 1 – Artur Laizo

[2] A Mansão do Rio Vermelho 1 – Artur Laizo

[3] O Vampiro Douglas – Artur Laizo

Sobre o autor Ver todas as postagens

admin

6 comentáriosDeixe um comentário

Deixe uma resposta para Artur Laizo Escritor Cancelar resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *