SE EU MORRESSE AMANHÃ – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

SE EU MORRESSE AMANHÃ

 

Se eu morresse amanhã

Parada cardíaca,

                        Respiratória,

Ou ambas…

Fulminante infarto agudo…

Não interessa muito como,

 

Preocupa-me o fato,

preocupa-me o ato,

preocupa-me o porvir…

O que farei com meus amores?

O que farão meus amores?

O que dirão de mim quando fechar meus olhos?

A quem deixarei meus bens?

A quem entregarei minha obra?

A quem convidarei pro meu derradeiro momento?

Não sei com quem gostaria

De passar meus últimos instantes…

Tomar chá,

talvez um bom vinho,

Assistir o por-do-sol, talvez o mais lindo,

Sorrir pro dia que termina,

Abraçar pela última vez

minha última noite…

Aguardar que uma brisa me busque,

Me tire dos braços de quem estarei amando na hora

E me leve em seus braços

Pros braços do eterno, n’algum canto…

Se eu morresse amanhã,

Com certeza estaria deixando o mundo,

Indo pra outra forma,

Continuar minha vida,

Fora deste palco,

Aguardando outra peça,

Pra de novo no teatro da vida,

Apresentar outro personagem…

– Que seja melhor que este!

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quase quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor.

5 comentáriosDeixe um comentário

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *