VELHICE I – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

VELHICE I

 

Arabescos de nuvens no céu…

Na vitrola um tango antigo,

Cheirando a mofo…

A noite cobre o mundo com seu véu,

Eu me encontro só, comigo,

Cheirando a mofo…

 

Não me soltam as asas,

Não me olhas os olhos, as falas…

Isolado aqui estou,

Vôo preso a mim por sobre casas,

Sinto arder o choque nas costas, de talas

Da solidão em que estou…

 

Na vida tudo passa,

Na vida o tempo corre

E no instante de mais graça,

Vem a morte e a gente morre!…

 

Não há sonho, nem esperança,

Não há luz que não se apague.

Não haverá nada que à criança,

A infância perdida lhe pague!

 

Obs: No principio, o tango era dançado entre homens, como é o Sirtaki, dança tradicional grega. Levou mais de 20 anos até que o tango fosse dançado com uma mulher, a partir de 1910. Tango antigo

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quase quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor.

2 comentáriosDeixe um comentário

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *