VIVER É UMA ARTE – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

VIVER É UMA ARTE

O que eu gostaria de ter feito na vida?
_ Dançar – sempre adorei dançar. Quem sabe eu não teria sido um grande bailarino? Quem sabe eu não estaria dançando agora? Deixei passar. O máximo foram minhas performances na época da discoteca. Treinos semanais para brilhar no fim de semana.
_ Cantar – sempre gostei de cantar. Quando criança – me contam porque não me lembro, cantava sempre. Aprendi a entrar no tom, talvez a cantar, duzentos anos depois… Quem sabe? Cantei em dois corais… Nada mais!
_ Atuar – adoro e sempre vou adorar atuar e pouco o fiz. Quem sabe um grande palco, talvez um filme? Duas, três peças, foi o máximo que consegui.
_ Pintar – Pinto até hoje, sempre me vejo com telas e tintas em todas as minhas lembranças de vida. Na época da novela “Selva de Pedra”, meu sonho era expor em Paris. Quem sabe… Não tem mais jeito!
_ Desenhar – Desenhar em vários setores: moda – adoraria ser estilista; artes: adoraria fazer grandes obras de arte em desenho. Desenho, pinto melhor.
_ Escrever – Comecei a escrever cedo. Com dez anos de idade, datilografei uma história, desenhei a capa e colei o desenho em papel ondulado e encadernei minha primeira história. Comecei ali a escrever e, graças a Deus, não parei nunca mais. Meu sonho, como o de qualquer autor é ter uma editora me cobrando o término da próxima obra. Hoje sou escritor!
_ Costurar – Eu fiz muitas roupas que usei na faculdade por não ter condições financeiras para comprar, na época, roupas de moda.
_ Reconstrução, restauração, estudar a história e preservá-la – houve até um tempo que achei que detestava história, mas tive uma professora fantástica, Didi Ramos, que me abriu os olhos.
_ Línguas – falo quatro. Adoraria falar todas como falo italiano e português. Adoraria falar francês como já o fiz anos atrás… Eu tinha uma lista de línguas que queria aprender: russo, japonês, brincando um pouco, iídiche.
_ Cozinhar – Adoro cozinhar, mas jamais queria ser um Chef de cozinha. A moda atual de cozinha, eu acho que é tudo muito mais enfeite que gosto. Muito mais alegoria que realmente cozinha. E as combinações… Bah! Não me agradam de jeito algum!
_ Engenharia civil, arquitetura – Até pensei, se não tivesse passado no vestibular para Medicina em Juiz de Fora, de fazer Engenharia Civil em Ouro Preto. Eu estaria lá até hoje fazendo “arte”. Ouro Preto não é tão maluco quanto eu. Iria ser uma loucura inenarrável!
Enfim, as artes sempre me atraíram!
Hoje exerço uma arte bastante diversa e igual a todas as outras: Sou cirurgião. Medicina é uma arte e de arte todos vivemos. Misturar a medicina e a arte é a maior arte e é o que é necessário fazer para não sucumbir na arte intensa de ser médico.
Enfim, viver é uma arte maior e eu sou muito feliz de viver intensamente minha vida.
Arte é arte, sempre!

            

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quase quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor. É membro da Academia Juiz-forana de Letras e da Academia de Ciências e Letras de Conselheiro Lafaiete e presidente da Liga de Escritores, Ilustradores e Autores de Juiz de Fora - LEIAJF.

4 comentáriosDeixe um comentário

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *