A MORTE – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

A MORTE

Pode a morte passar despercebida?
Pode o sonho acabar rapidamente?
Nesse mundo, vivendo nossa vida,
Pode tudo acabar tão de repente?

Não sei como viver sem a guarida
De um amor que me deixe resistente.
Não sei como enfrentar vida sofrida,
Sem calor, com a dor hoje presente.

O silêncio que a morte traz se impõe,
A fraqueza do ser o decompõe
E não resta mais tempo, nem mais sorte.

Quando essa hora nos surge – noite escura -,
Não há nada a fazer, nenhuma cura,
E somente morrer, todos conforte.

      

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quase quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor. É membro da Academia Juiz-forana de Letras e da Academia de Ciências e Letras de Conselheiro Lafaiete e presidente da Liga de Escritores, Ilustradores e Autores de Juiz de Fora - LEIAJF.

1 comentárioDeixe um comentário

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *