MINHA PRAIA – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

MINHA PRAIA

Navego por um mar de águas rasas, profundas,
De águas escuras, frias, ora muito quentes,
Navego sem desejo algum, águas imundas,
Me deixo levar, sinto frio, ranjo dentes…

E não há proteção, contra essas feras fundas,
Não há o que fazer, são loucas muitas mentes,
São mudas muitas bocas, cegas infecundas,
E cercado de loucos, vivo com dementes…

Navego há tanto tempo por esse mar louco,
Que nada hoje me faz feliz, tudo é tão pouco,
Não há libertação, não há o que me atraia.

Essas águas, me envolvem, sufocam minha alma,
Trazem dor, frustracão, não consigo ter calma.
Jamais conseguirei encontrar minha praia.

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor. É membro da Academia Juiz-forana de Letras e da Academia de Ciências e Letras de Conselheiro Lafaiete, Sociedade Brasileira de Poetas Aldravistas e presidente da Liga de Escritores, Ilustradores e Autores de Juiz de Fora - LEIAJF.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *