O VAMPIRO DOUGLAS – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

O VAMPIRO DOUGLAS

Eu cheguei na Academia de musculação onde não ia há um mês e encontrei alguns amigos que não via também a igual tempo. Começamos a conversar e o divertido da nossa conversa foi falar de alguém que não estava presente. Não estávamos fazendo fofoca, mas conversamos pelo menos uns quinze minutos sobre o DOUGLAS.
Queriam saber como ele estava. “Como ele nasceu? Onde apareceu pela primeira vez? O que anda fazendo? Ele gostou da Bienal do Rio de Janeiro?”
Eu contei algumas coisas. Contei por exemplo, quando atropelei o Douglas na minha garagem. Uma situação única. Vampiro não se reflete no espelho e eu não o vi quando dei ré.
Eu falei do meu vampiro como o meu maior amigo da atualidade. É o que anda comigo o tempo todo e de quem eu decido a vida.
Muitas pessoas adoram o Douglas. A escritora e poetisa Alessandra Riveli é quase sua amiga. Em tudo que acontece na cidade ela acha que o Douglas tem que se meter e resolver. Ela adora o Vampiro de Juiz de Fora.
Outro dia, outra amiga, também escritora e poetisa, a professora Leila Barbosa, passando de carro perto do Parque Halfeld – praça de Juiz de Fora onde o Douglas mora debaixo do coreto desde 1902 – viu uma obra e imediatamente me ligou:
_ Artur, estão fazendo uma obra no Parque Halfeld. Avisa ao Douglas.
_ Fica tranquila, Leila – respondi. – Ele já sabe e está passando uns dias aqui na minha casa.
Na realidade, nessa época, Douglas estava preso no porão da casa de Frederich Augspartem em Salvador. Ele e sua casa não estavam correndo riscos.
Meus alunos na faculdade querem saber do Douglas. A família inteira fala do vampiro de Juiz de Fora. Daqui a pouco será a vez do milenar Augspartem ficar com ciúmes e criar caso comigo. Ou então será a vez da taxista Mariette que passará a exigir a publicação de sua história já programada para 2024.
Enfim, o vampiro Douglas faz parte da minha vida como todos os outros personagens que criei e que amo tanto. Alguns são mais marcantes e mais enxeridos e marcam mais presença.
Fico muito feliz que eu tenha conseguido chegar nessa situação de criador e personagens. Uma vez, em uma entrevista, Zélia Gatai disse que não se sentia sozinha de morar só com o Jorge Amado na Casa do Rio Vermelho. Moravam, segundo ela, o grande escritor, ela e Tereza Batista, Gabriela, os capitães da areia, Quincas Berro d’água, Tieta e todos os personagens que eles criaram e que conviviam com eles diuturnamente.
Hoje, posso dizer que eu também vivo rodeado desses personagens que criei ao longo da vida e que fazem parte de mim.
O Douglas é o atual e, como disse, mais envolvente.
O livro “O VAMPIRO DOUGLAS” foi lançado na Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro e será lançado em Juiz de Fora no palco do Cine Theatro Central no dia 03 de outubro de 2023.
Vale a pena conhecer “O VAMPIRO DOUGLAS” ou melhor, o vampiro de Juiz de Fora.

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor. É membro da Academia Juiz-forana de Letras e da Academia de Ciências e Letras de Conselheiro Lafaiete, Sociedade Brasileira de Poetas Aldravistas e presidente da Liga de Escritores, Ilustradores e Autores de Juiz de Fora - LEIAJF.

5 comentáriosDeixe um comentário

  • Estimado amigo Artur, hoje sei detalhes do vampiro Douglas. A aparência física, altura, etc.
    Quero conhecer mais a sua história e o novo livro. Já sou fã dele.
    Sabe, conheço um vampiro também, que fica em um hospital, rondando e impaciente.
    Um dia te conto.

    Parabéns!
    Estou acamada com uma grave infecção e não sei se vou conseguir ir ao lançamento do livro O VAMPIRO DOUGLAS. Mas, desejo muito sucesso.
    Sou sua fã

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *