POR QUE EU NÃO GOSTO DE MENSAGENS DE ÁUDIO? – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

POR QUE EU NÃO GOSTO DE MENSAGENS DE ÁUDIO?

As pessoas hoje em dia estão escrevendo cada vez pior. Isso se dá pelo fato de lerem cada vez menos e de não se importarem com a língua pátria. É muito mais fácil mandar um áudio pelo whatsapp e pronto. Não interessa em que hora do dia ou da noite, não interessa se quem vai receber vai conseguir ouvir ou não. É mais fácil falar que escrever, como, para muitos, deve ser mais fácil ouvir que entender um texto escrito. E se esse texto, for bem escrito, então, é um risco para que não seja entendido.
Eu escrevo desde a infância. Desde muito cedo aprendi a ler e a escrever meus sentimentos e minhas histórias e meus poemas. Talvez ate seja mais fácil para mim, escrever que falar. É muito fácil inserir pontos e acentos e letras e parágrafos e me fazer entender por isso mesmo. Talvez até mesmo por isso, escrever corretamente, já fui criticado no whatsapp por escrever com pontos e acentos na forma mais correta que eu consigo – é assim que eu sei escrever e apesar de usar “blz”, “fds” entre outras tantas expressões da “língua moderna digital”, eu escrevo com pontos e acentos.
Houve também casos hilários quando, por exemplo, eu fui ao correio passar um telegrama e a mulher que me atendeu, leu meu texto e me disse que estava tudo errado: “No telegrama não tem que ter pontos e acentos. A frase tem que ser sucinta”, disse-me ela. E o mais interessante foi quando a pessoa recebeu o telegrama felicitando pela formatura em medicina e me disse: “Até o seu telegrama é um texto literário”. Eu sou assim. Gosto da minha língua. Como falo outras línguas, procuro fazer o mais correto possível. Eu acredito que se eu quero falar francês, eu tenho que saber escrever e acentuar as palavras corretamente. E assim me preocupo com as outras línguas que estudo e falo para falar o mais corretamente possível. Acabei de me lembrar que em 2013, depois de ficar trinta e seis dias em Londres estudando inglês, entrei em uma escola de inglês para continuar o estudo e a professora perguntou: “Why do you want to learn English?”. Eu respondi: “Because I want to speack English like the British”, respondi. Ela me disse: “Isso nós também queremos”. Como a sua resposta veio em português, estudar na instituição um ano foi duro.
Mas a internet mudou a vida de muita gente. Hoje em dia podemos usar a internet para estudar e aprender o que quisermos pagando ou de graça, é só escolher o que pode nos ajudar no nosso crescimento e aprendizado. Certo, mas também complicou algumas coisas. Na internet encontramos também muita coisa errada e muita coisa que não nos ajuda em nada. Desde fake news a textos publicados com diversos erros de português, a internet pode levar muita gente para o buraco negro da vida. Tudo tem que ser pesquisado e buscar a verdade em tudo. Há namoros pela internet, há encontros que viram até casamentos para a vida inteira, mas há também falcatruas, extorsões, casos de pedofilia e morte provocadas por inescrupulosos que usam a rede. Reitero, você encontra de tudo na internet que veio para facilitar a nossa vida.
Hoje, é mais fácil pesquisar na rede qualquer coisa que precisamos e temos isso à mão no nosso celular. Pena que no mundo atual, as pessoas não se interessam por saber muita coisa e o conhecimento geral é muito pequeno. O brasileiro moderno não tem mais aquela escola rígida que nos fazia aprender de tudo um pouco para a vida futura e também não tem interesse de aprender quase nada. É um grande vexame assistir na televisão esses programas de perguntas e respostas e ver que as pessoas não sabem o mínimo.
Mas e o áudio? Eu comecei o meu texto dizendo que não gosto de áudios no whatsapp e acabei divagando sobre conhecimento geral. Eu uso o whatsapp para muita coisa, até para produzir os meus textos. Gosto de me comunicar com as pessoas. Mas não é toda hora que eu consigo ouvir o áudio que me mandam. E há áudios longos. Tem gente que te manda um áudio de séculos de falação e acha que você tem que ter saco e tempo para ouvir o que querem dizer.
Quer falar comigo, quer que eu ouça a sua voz, me liga. Vamos conversar como antigamente pelo telefone? Tentar também ligar pelo telefone do whatsapp quase nunca gera uma boa ligação. Vamos escrever. Se querem me mandar mensagens, escrevam! Se não souberem escrever corretamente, não tem importância alguma, eu vou saber ler e não vou criticar o seu erro.
Meu grande problema é:
EU DETESTO MENSAGENS COM ÁUDIOS!

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quase quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor. É membro da Academia Juiz-forana de Letras e da Academia de Ciências e Letras de Conselheiro Lafaiete e presidente da Liga de Escritores, Ilustradores e Autores de Juiz de Fora - LEIAJF.

3 comentáriosDeixe um comentário

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *