MINHA QUERIDA RAINHA – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

MINHA QUERIDA RAINHA

My dear queen,
Minha querida rainha,
Você se foi antes…
Antes que eu pudesse marcar nosso chá das cinco no Buckingham para podermos conversar, falar da vida, eu te apresentar os meus vampiros, você dar sua opinião sobre meus livros…
Antes que eu pudesse voltar à Inglaterra para matar a saudade do país e, se desse sorte, vê-la mesmo que bem distante na sacada do Palácio…
Antes que pudesse vir me fazer aquela visita aqui em Juiz de Fora – eu falei disso tempos atrás. A previsão era passear pela cidade e eu levar você para conhecer o Morro do Cristo e o Calçadão…
Antes que a população mundial estivesse esperando que você se fosse…
Você esteve no Brasil em 1968, eu era criança e nem soube. Mas sei que entre tantas coisas, você inaugurou o MASP – adoro aquele museu. Foram onze dias de estada no nosso país e eu espero que tenha gostado muito.
Estou triste! Muito triste como se alguém querido do meu convívio diário se fosse! Tenho a sua imagem como a própria imagem da Grã-Bretanha. Adoro seus trajes, seus chapéus, sua educação, sua postura na vida, na política, na sociedade… Tenho você como um exemplo de vida, de governante e de monarca.
A história está cheia de tantos monarcas que são lembrados pela tirania e pela violência. Você estará na história como exemplo de tudo.
Imagino – muito pouco talvez – que sua vida inteira não tenha sido fácil: Ser rainha, ter que usar o peso da coroa e ao mesmo tempo ter filhos, ter parentes, ter que lidar com erros e acertos e permanecer firme como rainha…
Você está indo antes! Todos iremos também! Não sei se poderei encontrar você lá aonde iremos. Quem sabe eu não poderei tomar aquele nosso chá no outro mundo?
Vá com Deus, querida rainha. Sinto-me órfão novamente. Estou bem triste e, se em Londres estivesse, acompanharia todos os momentos da sua despedida!
Vou te levar uma rosa quando voltar a Londres, cidade que amo tanto.
God Save the Queen!

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor. É membro da Academia Juiz-forana de Letras e da Academia de Ciências e Letras de Conselheiro Lafaiete, Sociedade Brasileira de Poetas Aldravistas e presidente da Liga de Escritores, Ilustradores e Autores de Juiz de Fora - LEIAJF.

1 comentárioDeixe um comentário

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *