O QUE É UMA TROVA? – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

O QUE É UMA TROVA?

Historicamente a trova se referia a qualquer poesia ou canto. Seu nascimento está estreitamente associado à poética da Era Medieval, quando trova era o mesmo que a poesia e a letra de uma canção. Seu cultivo traduzia perfeitamente o contexto dessa época. Ela floresceu no tempo das Cruzadas, do combate aos mouros, do sistema feudal, do prestígio místico do clero. O correspondente literário prosperou na região sul da França e em Portugal, uma corrente poética conhecida como Trovadorismo.
Era considerado trovador ou vate todo poeta que se dedicava a compor estes poemas. Posteriormente ela passou a definir o formato poético atualmente estipulado com precisão: quatro versos, portanto uma quadra, compostos em redondilha maior, ou seja, heptassilábicos.
Assim sendo, a trova é uma poesia monostrófica, melhor dizendo, resumida em uma única estrofe com sete sílabas poéticas em cada verso. Sua acepção deve estar contida nos quatro versos; eles devem oferecer ao leitor o significado completo da mensagem que o trovador pretende transmitir.

A trova é considerada “a mais alegre poesia”.

Trova é um poema de quatro versos em redondilha maior.

Luiz Otávio, definiu: “Composição poética de quatro versos de sete sílabas cada um, rimando pelo menos o segundo com o quarto verso e tendo sentido completo”.

Exemplo de trova de autoria de Luiz Otávio:

“Às vezes o mar bravio
dá-nos lição engenhosa:
afunda um grande navio,
deixa boiar uma rosa!”

Fernando Pessoa considerava que “a trova é o vaso de flores que o povo põe à janela de sua alma.”

“Todos os dias que passam
sem passares por aqui
são dias que me desgraçam
por me privarem de ti.”

Para Waldir Neves “A Trova é a arte de acomodar o infinito nos limites de um grão de areia.”
E ele continua: “Quando esse gênero literário chegou ao Brasil trazia o nome de quadra, que assim é ainda chamada em Portugal, mas aqui foi batizada de Trova. O movimento trovadoresco foi moldando o perfil da Trova brasileira, incluindo no rol de suas características desejáveis, a simplicidade, a harmonia e a musicalidade, para a qual contribuem a melodia, o ritmo, a cadência métrica e a sonoridade das rimas. Tudo isso unido, dentro da síntese absoluta que o sentido completo exige como característica indispensável, é que distingue a Trova de uma simples estrofe que dá continuidade a um poema.” (A Trova Raízes e Florescimento – UBT p. 29).

Jorge Amado afirmou: “Quanto à Trova, não pode haver criação literária mais popular, que fale mais diretamente ao coração do povo. É através da Trova que o povo toma contato com a poesia e sente a sua força. Por isso mesmo, a Trova e o Trovador são imortais”.

CLASSIFICAÇÃO

As trovas podem ser Líricas, Filosóficas e Humorísticas:

LÍRICAS – (existe o “eu” lírico, subjetividade, estado da alma, romance)

Eu sou daqueles românticos
que abraçam seu desvario,
sonhando com transatlânticos
num porto, há muito, vazio…
(José Ouverney)

FILOSÓFICAS – (marcadas pela racionalidade, procuram definir ou conceituar uma ideia)

Sem qualquer mancha ou resíduo
nos pilares da moral,
na ética é que o indivíduo
mostra o seu valor real.
(Eliana Jimenez)

HUMORÍSTICAS – que fazem rir ou contém algum componente divertido. Hoje em dia, o humor deve respeitar o politicamente correto, não são bem-vindas trovas de nacionalidade, aparência física, chulas ou escabrosas)

Lá em casa, a bagunça é boa,
tudo de pernas pro ar,
e o analista da patroa
ainda a manda relaxar…
(Elton Carvalho)

ESTRUTURA DA TROVA

Trova é um poema monostrófico (contém uma estrofe apenas) com quatro versos heptassílabos (redondilha maior), sem título, que se completa em seus quatro versos, como nos exemplos a seguir, de Pedro Ornellas:

“O acerto, sim, amedronta,
mas creio que estamos quites:
Para os meus erros sem conta
Deus tem perdão sem limites.”

“A situação tá tão feia,
minha grana tão escassa,
que o vizinho churrasqueia
e eu passo o pão na fumaça.”

Neste ponto a trova se distingue da Literatura de Cordel, na qual o autor, em quadras ou em sextilhas, desenvolve uma narrativa que ao ser concluída totaliza mais de cem versos. Além disso, as trovas não precisam de um título. Por outro lado, são totalmente rimadas.

A trova também é chamada de “quadra” ou “quadrinha”, mas esta sinonímia não é perfeita, uma vez que as regras rígidas da trova não se fazem necessariamente na quadra. Entre os atuais cultores desta forma de poema, é preferível o termo “trova” como designativo.

Há a necessidade de se diferenciar a trova da quadra que compõe um poema maior, uma vez que a trova se completa em si, sem aceitar mais nenhuma estrofe.

O esquema rímico da trova é de rimas alternadas (ABAB) ou cruzadas (ABBA).

Para os concursos literários, atualmente, as trovas de rima simples ABCB foram preteridas em função das trovas de rima completa ABAB, como segue:

Trova de rima simples (ABCB), de autoria de Luiz Otávio:

“Desconfio que a saudade (A)
não gosta de ti, meu bem: (B)
quando tu vens, ela vai…(C)
quando tu vais, ela vem!” (B)

Trova de rima completa (ABAB) de autoria de Antonio Augusto de Assis:

“Tem muito mais graça a vida (A)
quando a gente tem com quem (B)
repartir bem repartida (A)
a graça que a vida tem”. (B)

UNIÃO BRASILEIRA DE TROVADORES

A UBT é uma associação civil, cultural e recreativa, de âmbito nacional e tem como finalidade o estudo, cultivo, divulgação da trova e congraçamento dos trovadores.

União Brasileira de Trovadores foi fundada em 08 de Janeiro de 1967 por Luiz Otávio, pseudônimo de Gilson de Castro, (19/07/1916-31/01/1977) que é seu Presidente Honorário Perpétuo.

A UBT se orgulha de ser a única entidade literária brasileira com presença, e atuante, em todo o território nacional e vários outros países, como Argentina, México, Espanha, Peru, Colômbia, República Dominicana, Porto Rico e Venezuela.

ATUAL DIRETORIA DA UBT NACIONAL
Presidente: Domitilla Borges Beltrame – São Paulo
Vice Presidente: Arlindo Tadeu Hagen – Juiz de Fora
Secretário – Patrícia Rocco – São Bernardo do Campo

https://pt.wikipedia.org/wiki/Trova
https://www.infoescola.com/literatura/trova/
https://www.silviamota.com.br/visualizar.php?idt=3756095
O que é trova?
http://www.falandodetrova.com.br/cantinhodaubt

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quase quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor. É membro da Academia Juiz-forana de Letras e da Academia de Ciências e Letras de Conselheiro Lafaiete e presidente da Liga de Escritores, Ilustradores e Autores de Juiz de Fora - LEIAJF.

2 comentáriosDeixe um comentário

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *