O TEMPO – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

O TEMPO

Se eu andar cem quilômetros,
Eu estarei a cem quilômetros daqui,
Mas se eu andar cinquenta
E voltar cinquenta,
Eu estarei no mesmo lugar,
Mas estarei em um tempo diferente.
O tempo passa o tempo todo,
O tempo não para nunca.
E se a gente caminhar cem quilômetros,
Vamos caminhar mais cem,
Mais duzentos,
Enquanto nossas forças aguentarem,
Mas nunca estaremos parados no tempo
Que se esgota
E nunca acaba.
Sempre existirão
Os quilômetros
De ida e vinda,
De só ida,
Nunca só volta
E o tempo,
Que é o mais independente de todas as coisas.
Ele passa
E só!

            

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor. É membro da Academia Juiz-forana de Letras e da Academia de Ciências e Letras de Conselheiro Lafaiete, Sociedade Brasileira de Poetas Aldravistas e presidente da Liga de Escritores, Ilustradores e Autores de Juiz de Fora - LEIAJF.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *