O TRÂNSITO NA CIDADE – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

O TRÂNSITO NA CIDADE

O trânsito em Juiz de Fora está muito confuso. Na verdade, está piorando a cada dia e as dificuldades se sobrepõem.
Quando nos anos setenta, inicio da década de oitenta, concluíram as obras da Avenida Rio Branco, o objetivo era fazer o trânsito da segunda maior cidade do estado fluir com mais eficiência. Todo mundo sabia que, por estar entre montanhas, o centro da cidade não tem como expandir. Na época, já se pensava em como seria o trânsito em um futuro bem distante. Não tão distante!
Muitas reformas e mudanças foram sendo feitas para melhorar o trânsito. Muitas foram feitas e pioraram o trânsito. A mudança da rodoviária para o bairro x, a construção do acesso norte, a proibição de se trafegar com onibus e caminhões no centro, os semáforos e quebra-molas, as mudanças de mão e contramão no centro, muito estudo, muita ação para chegar na loucura que é hoje, quarenta anos depois da conclusão da reforma da principal avenida da cidade.

Avenida Barão do Rio Branco, bem conhecido como Avenida Rio Branco, é um logradouro do município de Juiz de Fora, Brasil. Principal via de circulação da cidade, foi projetada em 1836 como alternativa ao Caminho Novo, sendo denominada Estrada do Paraibuna (ou Estrada Nova) e posteriormente Rua Principal e Rua Direita, até receber a nomenclatura atual. É considerada a terceira maior avenida em linha reta do Brasil após a Avenida Teotônio Segurado em Palmas e a Avenida Caxangá em Recife. (https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Avenida_Rio_Branco_(Juiz_de_Fora)

A Avenida é a principal rota da cidade e tem como apoio para o fluxo do trânsito, as Avenidas Francisco Bernardino e Getúlio Vargas na parte baixa, a Avenida Olegário Maciel e Rua Santo Antônio do outro lado. Hoje em dia essas vias também não estão dando conta.
Ela é cortada por ruas que jogam o seu trânsito dentro dela através de cruzamentos importantes como o da Avenida Presidente Itamar Franco.
Houve um projeto anos atrás de um político que queria fazer um viaduto ligando o Bairro Bom Pastor ao Bairro Manuel Honório do outro lado da Avenida. Impossível, o projeto não foi aceito por muitas razões.
Assim como ocorre em Belo Horizonte com a Avenida Afonso Pena, se se quer ir para um lado tem que virar para o outro e cruzar a avenida, aqui de seis pistas.
Na reforma de oitenta, os ônibus passaram a circular no centro da avenida, liberando as calçadas dos pontos de ônibus que vivem cheios. Na época dessa mudança, muitos atropelamentos foram registrados pela desatenção ou por imprudência dos pedestres. Quantos até hoje não pulam os canteiros centrais para “andar mais rápido” ou “cortar caminho”?
O trânsito hoje está muito complicado. Talvez tenha mais carros circulando que o centro possa comportar. Talvez os motoristas estejam mais imprudentes, ou mais ousados. Não dá para esquecer a seta que poucos usam para indicar a direção que irão tomar, ou outros sinais luminosos para indicar que vão parar, fazer vaga.
Os carros estão invadindo os sinais e bloqueando os cruzamentos. Os carros estão parando onde não devem e atrapalhando o trânsito. Fila dupla. Manobras arriscadas. Manobras ilegais…
E o pedestre? Parece que nas ruas de Juiz de Fora, tem dez vezes mais pessoas que há vinte anos. O pedestre se arrisca na frente dos carros. Pessoas idosas que estão com uma pressa absurda, não se sabe porquê. E ainda tem quem atravessa fora da faixa, na diagonal, na frente dos carros, por trás dos carros, só falta passar por cima dos carros.
Hoje, a cidade de Juiz de Fora não é mais a segunda maior cidade de Minas, mas o trânsito e os pedestres se comportam como se fosse a maior metrópole do mundo. Correria e confusão no trânsito do centro. A grande vantagem do trânsito em Juiz de Fora é que ninguém usa a buzina para descarregar sua raiva de estar em um congestionamento. Acho que todos sabem que buzina não libera o tráfego dos carros.
Não sei qual será a solução para o trânsito de veículos em Juiz de Fora, mas alguma coisa deverá ser feita muito em breve.

Foto: cruzamento da Avenida Barão do Rio Branco com a Avenida Presidente Itamar Franco às 17:00 em dia de chuva.

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor. É membro da Academia Juiz-forana de Letras e da Academia de Ciências e Letras de Conselheiro Lafaiete, Sociedade Brasileira de Poetas Aldravistas e presidente da Liga de Escritores, Ilustradores e Autores de Juiz de Fora - LEIAJF.

2 comentáriosDeixe um comentário

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *