POR ENQUANTO – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

POR ENQUANTO

Às vezes, pensamos que o mundo precisa de nós.
Bobagem!
Passamos pelo mundo e nós somos importantes para nós mesmos. Somente para nós mesmos! Nem para as pessoas que amamos. Nós amamos as pessoas porque elas são fundamentais para nós naquele momento. São de extrema importância para o nosso bem estar físico, psicológico, espiritual…
Conversando com um amigo, outro dia, lembramos da frase ” NINGUÉM É INSUBSTITUÍVEL” (autor desconhecido). Muito importante pensar assim. Tem gente que acha que o seu trabalho é o mais importante e o mais bem feito que qualquer um jamais faria igual. Esse trabalho agrada a um sem-número de pessoas e outro tanto preferiria o outro profissional que faz diferente ou outro que faz de outro jeito ainda. Ninguém é totalmente fundamental que outra pessoa não possa fazer o mesmo, pior, ou até melhor.
Você trabalha em uma empresa, faça com que sintam que você é competente e eficaz – a empresa quer resultado, você só é importante quando der esse resultado. Faça com que sintam a sua falta fazendo o melhor trabalho, se sentirem que você não faz falta, você provavelmente, deixará de fazer parte da empresa tão logo possam.
Se você trabalha em um grupo, trabalhe pelo grupo. Faça o grupo crescer e você crescerá junto. Se o grupo se destacar e você não teve uma parcela de contribuição, você não será bem visto pelos colegas. Um grupo é um grupo e quando o grupo cresce, você vai crescer junto e vai ficar mais forte até mesmo sozinho, fazendo parte do grupo.
Se você faz uma arte qualquer, lembre-se que sempre haverá quem faz melhor e pior que você, mas o seu trabalho é tão importante como o de todos aqueles que fazem algo semelhante. Um livro de qualquer gênero tem seus leitores. Há gêneros que agradam a certas pessoas e outros que agradam a outras. Se você escreve, pinta, borda, faz piruetas, não faz isso sozinho. Algumas pessoas admiram seu trabalho, outras o trabalho do colega que pra você não tem nenhum valor.
E ainda conversando com meu amigo, lembrei que todos estamos fadados a morrer um dia. Vamos todos morrer, graças a Deus! E a luta durante a vida, a soberba – odeio gente soberba -, a busca incessante por mais, cada vez mais, o que conseguirmos acumular, tudo, enfim, deixa de ser nosso. O corpo sem vida, rodeado de parentes e pessoas amigas ou não, que gostam de você ou não, vai seguir um único caminho: desaparecer!
Independente de religião onde cada um acredita ou não em uma continuação do espírito, a matéria vai desaparecer. O que vai ficar? Uma lembrança, uma citação, as vezes, na mesa do café. A vovó vai contar para o netinho coisas do avô, mas o avô já não faz mais parte do contexto da geração que está descobrindo o mundo. Essas coisas com o tempo, também vão desaparecer e todos serão esquecidos. Se você é o profissional importante da empresa, em pouco tempo o quadro de funcionários não vai mais se lembrar de você. Se você é o grande médico de um hospital, as novas gerações, com outros pensamentos e novos procedimentos, não se lembrarão de você, mesmo se você se tornar nome de rua. Se você é um artista, sua obra poderá persistir no tempo e daqui a muitos anos, alguém admirar seu quadro, ou ler seu livro, mas quem é você?
Somos o nosso tempo! Somos e amamos quem convivemos nesse exato momento. Existe história. Existe tempo presente. Passado e futuro, não sei! O tempo não volta e não adianta querer que as coisas sejam como foram ou sejam como gostaríamos que fossem. Tudo é do jeito que deve ser e nós estamos inseridos nesse meio. POR ENQUANTO!

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quase quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor. É membro da Academia Juiz-forana de Letras e da Academia de Ciências e Letras de Conselheiro Lafaiete e presidente da Liga de Escritores, Ilustradores e Autores de Juiz de Fora - LEIAJF.

5 comentáriosDeixe um comentário

Deixe uma resposta para ROGERIO MARQUES SEQUEIRA COSTA Cancelar resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *