PRÍNCIPE ENCANTADO – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

PRÍNCIPE ENCANTADO

Ela olhava para ele apaixonada. Será? Ele olhava para ela cobiçoso. Claro!
Ela era uma senhora elegante e madura. Ele um homem cheio de grana e desprovido de beleza. Ela se vestia muito bem. Ele de calça jeans e camisa social, parecia que tinha saído do curral. Ela usava perfume francês. Ele tomou banho com sabonete comum.
O casal esrava no restaurante para curtir a noite.
Talvez, ela fosse solteira, apesar da idade, talvez viúva. Ele poderia ser viúvo, mas parecia casado.
Ele pediu um vinho.
Ela sempre preferiu tomar cerveja. Ele sempre gostou de cachaça. Para impressionar, ele pediu vinho tinto seco, ela sofreu sorrindo a bebida que mais detestava.
Mas, ela mantinha um sorriso no rosto a cada vez que ele dizia alguma coisa, não interessava o que ele dissesse. Ela sorria. Ele falava coisas que achava que a interessasse. Não interessavam. Pediu um prato para jantarem. Ele pediu. Ela sorriu e concordou. Não importava o que fosse.
A noite foi alegre. O sorriso permaneceu nos lábios pintados de carmim. Eles comeram. Ela com moderação, ele faltou pouco limpar as mãos na toalha. Ela sorria submissa, achando tudo lindo. Achando que o homem gordo, sem modos, sem cultura e sem qualquer deferência, mas com o bolso cheio, fosse o seu príncipe encantado.
O homem é soberano e qualquer um vale a pena? Qualquer homem feio, descuidado, bruto e sem-educacão pode ser o melhor partido para qualquer mulher? Toda mulher precisa de um homem, não interessa qual?
A mulher da mesa ao lado, talvez, achasse que aquele homem era o máximo que ela poderia conseguir na vida. Aquele homem, ali, naquela hora, era o seu Príncipe. E talvez, se ela achasse isso, ela estava sorrindo feliz, ela estava tomando a bebida que ela não gostava, feliz, ela estava naquele momento feliz.
Ele ousou cantar com o cantor que fazia música ao vivo e ela aplaudiu veementemente.

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor. É membro da Academia Juiz-forana de Letras e da Academia de Ciências e Letras de Conselheiro Lafaiete, Sociedade Brasileira de Poetas Aldravistas e presidente da Liga de Escritores, Ilustradores e Autores de Juiz de Fora - LEIAJF.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *