QUARTO DE DESPEJO – CAROLINA MARIA DE JESUS – RESENHA – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

QUARTO DE DESPEJO – CAROLINA MARIA DE JESUS – RESENHA

Título: Quarto de despejo
Autora: Carolina Maria de Jesus
Ano de publicação: 1960
Nacionalidade: Brasileiro
Narrativa: Pessoal e subjetiva (1° pessoa)
Influência externa: Governo de Juscelino Kubistchek
Movimento literário: Literatura marginal
Linguagem: Simples, com traços de oralidade.

Sobre o livro:
Em comemoração aos 60 anos da obra Quarto de Despejo: diário de uma favelada, escrita por Carolina Maria de Jesus, a Editora Ática relançou o livro em edição especial, com fotografias e manuscritos originais da autora. A publicação, que já foi traduzida para 13 idiomas é uma das mais importantes da literatura brasileira.

A capa da edição comemorativa é do artista plástico No Martins e o prefácio é da escritora belo-horizontina Cidinha da Silva, autora de Um exu em Nova York, ganhador do Prêmio Biblioteca Nacional de 2019. Além disso, está sendo lançado também, de forma inédita, um livro com a adaptação da obra para o teatro, escrita pela jornalista, escritora e dramaturga Edy Lima em 1961. Nos palcos, Carolina Maria de Jesus foi interpretada pela atriz Ruth de Souza.

Moradora da favela do Canindé, em São Paulo, Carolina Maria de Jesus era catadora de papel e anotava seu dia a dia em cadernos encontrados no lixo. Com um olhar original sobre a favela, a autora relata como sobrevive às mazelas da sociedade brasileira. Em entrevista para a Rádio UFMG Educativa, Laura Prado, coordenadora do núcleo de literatura do Somos Educação, comenta que a obra de Carolina Maria de Jesus é atual e representa, infelizmente, a realidade de muitas periferias do país.

Resenha:
A forma simples de escrever da autora mostra também a sua vida: pouco estudo, pouca esperança, muitos sonhos, muita força de vida para cuidar de si e de seus filhos. Ela relata a vida na favela de um modo muito especial: de quem mora na favela. Ela fala de fatos e pessoas com quem conviveu e de pessoas que estavam acontecendo na época como na política, por exemplo. Ela fala dos filhos com todo o amor que alguém pode ter e daria a vida por eles. Em vários momentos ela fala da fome e da vontade de comprar comida – pão e leite – para as crianças e não tem. Fala dos vizinhos como se nós os conhecêssemos e das pessoas que ajudam aos favelados como a kombi que distribui alimentos e do Centro Espírita responsável.
O livro, por ser escrito em forma de diário, torna fácil a leitura. Quem fez a edição, deixou formas erradas de escrita para dar maior veracidade ao livro.
O livro é ótimo! Eu recomendo!

Sobre a Autora:

Carolina Maria de Jesus (Sacramento, 14 de março de 1914 — São Paulo, 13 de fevereiro de 1977) foi uma escritora, compositora e poetisa brasileira, mais conhecida por seu livro Quarto de Despejo: Diário de uma Favelada, publicado em 1960.
Carolina de Jesus foi uma das primeiras escritoras negras do Brasil e é considerada uma das mais importantes escritoras do país.[1] A autora viveu boa parte de sua vida na favela do Canindé, na Zona Norte de São Paulo, sustentando a si mesma e seus três filhos como catadora de papéis. Em 1958, tem seu diário publicado sob o nome Quarto de Despejo, com auxílio do jornalista Audálio Dantas. O livro fez um enorme sucesso e chegou a ser traduzido para catorze línguas.[2]

Carolina de Jesus era também compositora e poetisa. Sua obra e vida permanecem objetos de diversos estudos, tanto no Brasil quanto no exterior.

Fontes: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Carolina_Maria_de_Jesus
https://www.brasildefato.com.br/2021/03/01/livro-quarto-de-despejo-diario-de-uma-favelada-e-relancado-em-edicao-especial https://www.amazon.com.br/s?k=quarto+de+despejo+di%C3%A1rio+de+uma+favelada&adgrpid=125120959823

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quase quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor. É membro da Academia Juiz-forana de Letras e da Academia de Ciências e Letras de Conselheiro Lafaiete e presidente da Liga de Escritores, Ilustradores e Autores de Juiz de Fora - LEIAJF.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *