TRÂNSITO EM JUIZ DE FORA – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

TRÂNSITO EM JUIZ DE FORA

Um carro para,
Outro também,
Mais um depois…
Ninguém buzina:
É Juiz de Fora!
E o povo anda,
O povo para
E reclama.
E o carro invade,
Outro também,
Fecham a rua,
O cruzamento.
Ninguém buzina,
Não adianta,
Nada anda,
Nada vai,
Nada vem.
Todo mundo espera…
Ninguém buzina,
Não buzina,
São seis horas,
São dez horas,
São quinze, dezoito
Ou muito mais.
O trânsito parou,
As ruas estão cheias,
O mundo está cheio,
Ninguém buzina,
Não adianta.
O que virou esse trânsito?
É Juiz de Fora!
Não se vai,
Mas se chega lá.
Não se vem
De lugar algum.
O carro vai,
O carro para,
O carro fecha o trânsito,
O cruzamento,
As vias todas…
E a Rio Branco
Segue em paz,
Parada às vezes,
Levando o fluxo
Pra todos os lados
E o povo segue,
Andando devagar,
Querendo ir,
Querendo ficar,
Mas Ninguém buzina
É Juiz de Fora!

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor. É membro da Academia Juiz-forana de Letras e da Academia de Ciências e Letras de Conselheiro Lafaiete, Sociedade Brasileira de Poetas Aldravistas e presidente da Liga de Escritores, Ilustradores e Autores de Juiz de Fora - LEIAJF.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *