A VAGAR – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

A VAGAR

Na escuridão do meu caminho torto,
Levo os dias empurrando minha alma,
Por certo até, eu já esteja morto,
Sigo arrastando correntes, com calma…

Nessa escuridão desse fétido horto,
Talvez algum dia, com alguma palma,
Tenha alcançado algum simples conforto,
Mas, hoje, caminho só, sem vivalma…

Matei minha vida quando perdi tudo,
Quando te foste me deixaste mudo,
Me deixei perder, me pus a vagar…

Sozinho, depois que me abandonaste,
Sou morto-vivo, nada mais que um traste,
Morrendo e caminhando devagar…

         

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quase quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor. É membro da Academia Juiz-forana de Letras e da Academia de Ciências e Letras de Conselheiro Lafaiete e presidente da Liga de Escritores, Ilustradores e Autores de Juiz de Fora - LEIAJF.

2 comentáriosDeixe um comentário

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *