SOZINHO – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

SOZINHO

Me sinto só, comum, nesse meu tempo vivo,
Me sinto triste, sempre que ouço uma canção,
Falta-me força, sinto-me muito inativo,
Sinto um ritmo estranho no meu coração…

A energia finda, me deixa passivo,
Não sei nem mais lutar pela própria emoção.
Deixei passar meus sonhos, desejo lascivo,
Eu não busquei amar, nem quis compreensão…

Me sinto só, me sinto triste, está tão frio,
Não sei buscar, não sei o que fazer da vida,
Se nesse tempo, sofro esse grande vazio

E se hoje trago essa alma perene, ferida,
É porque sinto dor, porque perdi meu brio…
Por isso trago agora minha tez sofrida.

         

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quase quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor. É membro da Academia Juiz-forana de Letras e da Academia de Ciências e Letras de Conselheiro Lafaiete e presidente da Liga de Escritores, Ilustradores e Autores de Juiz de Fora - LEIAJF.

2 comentáriosDeixe um comentário

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *