CHEIO DE NADA – Pão de Canela e Prosa
Pão de Canela e Prosa

CHEIO DE NADA

Queria escrever alguma coisa cheia de mim,

Mas eu estou agora, cheio de nada…

Queria dizer de meus sonhos,

Que como areia do deserto

Estão nas minhas mãos abertas…

Queria dizer dos meus amores,

Que como feras selvagens

Estão nas jaulas abertas do meu coração,

Queria dizer dos meus desejos,

Que como filmes de arte

Não lotam cinemas…

 

Queria dizer do que espero,

Queria dizer do que sinto,

Mas o vazio da noite,

Como uma cortina de gelo

Me impede de esperar,

Me desanima de sentir,

Me faz endurecerem as lágrimas

Que deveriam rolar pelo meu rosto,

 

Queria dizer mais de mim…

Mas talvez tenha e sinta

Cada vez menos…

E cada vez menos tenha forças

De lutar contra o bandido mascarado

Da solidão que me ronda

E quase me faz desistir…

 

Coisas da Noite, 1997

Sobre o autor Ver todas as postagens

Artur Laizo Escritor

Artur Laizo nasceu em 1960, em Conselheiro Lafaiete – MG, vive em Juiz de Fora há quase quatro décadas, onde também é médico cirurgião e professor.

2 comentáriosDeixe um comentário

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *